CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X

Ecoansiedade: o que é e como evitar diante da angústia pelas enchentes no Rio Grande do Sul

Crises de pânico e pensamentos obsessivos são alguns dos sintomas que podem se manifestar

Eva Pires
fonte

A ecoansiedade, também conhecida como ansiedade climática ou solastalgia, é o medo crônico e a preocupação excessiva com os impactos das mudanças climáticas no planeta. Ela se manifesta por meio de preocupações intensas com o futuro do planeta e seus impactos na vida das pessoas. As enchentes no Rio Grande do Sul são um exemplo trágico dos efeitos das mudanças climáticas e podem intensificar a ansiedade ambiental em muitas pessoas. O psicólogo Fernando Santos, de Belém, explica o que é a condição e dá dicas de como evitá-la.

VEJA MAIS

image Ansiedade noturna: o que é e como evitar?
Especialistas explicam que esse problema prejudica o sono e pode ser causado por traumas ou eventos estressantes, fatores ambientais e até traços da personalidade

image Eventos climáticos extremos se tornarão mais frequentes no Brasil, alertam especialistas
País registrou 1.161 desastres naturais no ano passado, mais de três por dia, em média

Sintomas 

Medo intenso e persistente: angústia em relação ao futuro do planeta e da humanidade, com pensamentos catastróficos e pessimistas.

Crises de pânico: ataques súbitos de medo intenso, acompanhados por sintomas físicos como taquicardia, sudorese, falta de ar e tontura.

Pensamentos obsessivos: ruminação constante sobre as mudanças climáticas e seus impactos, com dificuldade de se concentrar em outras atividades.

Perda de apetite: diminuição do interesse pela comida e dificuldade em se alimentar de forma saudável.

Insônia: dificuldade para adormecer ou permanecer dormindo, com sono agitado e pesadelos.

Queda no rendimento escolar ou profissional: desmotivação, falta de concentração e dificuldade em realizar tarefas.

Sentimentos de culpa e impotência: sensação de que não há nada que possa ser feito para evitar o desastre climático.

Desesperança e apatia: perda de interesse pelas atividades cotidianas e sentimento de que o futuro é sombrio.

Causas da ecoansiedade

Exposição constante a notícias alarmantes: a mídia frequentemente apresenta as mudanças climáticas de forma catastrófica, sem contextualizar os dados e apresentar soluções.

Desinformação e sensacionalismo: a circulação de informações falsas ou exageradas nas redes sociais e em alguns veículos de comunicação contribui para o aumento da ansiedade.

Falta de educação ambiental adequada: a educação ambiental nas escolas muitas vezes se concentra nos aspectos científicos das mudanças climáticas, sem abordar as implicações psicológicas e sociais do problema.

Fatores individuais: pessoas com predisposição à ansiedade, depressão ou outros transtornos mentais podem ser mais propensas a desenvolver ecoansiedade.

Impactos da ecoansiedade

A ecoansiedade pode ter um impacto significativo na saúde mental e no bem-estar das pessoas, afetando suas relações pessoais, desempenho profissional e qualidade de vida. Em casos graves, pode levar ao desenvolvimento de transtornos de ansiedade, depressão e até mesmo pensamentos suicidas.

Como lidar com a ecoansiedade

Buscar informações confiáveis: consulte fontes confiáveis para obter informações precisas e atualizadas sobre as mudanças climáticas.

Limitar a exposição a notícias alarmantes: evite assistir ou ler notícias constantemente sobre o tema, especialmente aquelas que apresentam uma visão pessimista e catastrófica.

Conversar com outras pessoas: compartilhar seus sentimentos e preocupações com amigos, familiares ou um profissional de saúde mental pode ser útil para lidar com a ansiedade.

Focar em ações positivas: envolva-se em atividades que contribuam para a mitigação das mudanças climáticas, como reduzir seu consumo de energia, reciclar e usar transporte público.

Cuidar da saúde mental: pratique atividades físicas, tenha uma alimentação saudável, durma bem e procure técnicas de relaxamento como meditação ou yoga.

O papel da educação ambiental

A educação ambiental tem um papel fundamental na prevenção e no combate à ecoansiedade. É importante que as escolas abordem o tema de forma abrangente, contextualizando os dados científicos e apresentando soluções para o problema. Além disso, é essencial promover a educação emocional e o desenvolvimento de habilidades para lidar com o estresse e a ansiedade.

Lembre-se: você não está sozinho. A ecoansiedade é um problema real que afeta muitas pessoas. Existem maneiras de lidar com a ansiedade e cuidar da sua saúde mental. É importante buscar ajuda profissional se você estiver sofrendo com os sintomas da ecoansiedade.

Eva Pires (estagiária sob supervisão de João Thiago Dias, coordenador do núcleo de Atualidade)

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Belém
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM