Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Desmatamento pressiona APA Triunfo do Xingu, no Pará, mas Governo mantém fiscalização e promove regu

Apyterewa foi a 3ª terra indígena mais pressionada

O Liberal

 

Levantamento do estudo “Ameaça e Pressão de Desmatamento em Áreas Protegidas”, publicado trimestralmente pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) indica que a Área de Proteção Ambiental (APA) Triunfo do Xingu (PA) foi o território protegido da Amazônia mais pressionado pelo desmatamento no primeiro trimestre deste ano. E a terra Apyterewa, alvo de invasões de grileiros nesta semana, foi o terceiro território indígena sob maior pressão no período.

Diante desse cenário indicado pelo Imazon, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) informa que 70% do território paraense está sob jurisdição da União. "A APA Triunfo do Xingu tem sido fiscalizada regularmente e recebe ações voltadas para a regularização ambiental. O estado também tem atuado nas regiões de influência das terras indígenas e em outras áreas pressionadas, conforme sinalizado pelos alertas DETER/INPE", comunica o órgão nesta quinta-feira (19). 

A Semas também expressa que o monitoramento dos dados oficiais do INPE mostra que o Pará tem apresentado redução de 11%, de acordo com o calendário Prodes. O levantamento compara o período entre agosto de 2020 a abril de 2021 e agosto de 2021 a abril de 2022, acrescenta a Secretaria.

A metodologia adotada pelo Imazon considera o número de ocorrências de desmatamento, e não a área total desmatada, e a pesquisa serve para alertar os órgãos públicos sobre quais são os mais pressionados e ameaçados pela devastação.

O estudo classifica como pressão as ocorrências de derrubada da floresta que acontecem dentro das áreas protegidas e como ameaça as registradas ao redor, a uma distância de até 10 km. E, entre os estados, o Pará foi o que teve o maior número de áreas protegidas em ambos os rankings, com metade dos territórios mais ameaçados e pressionados. Situação que tem se repetido nos últimos estudos.

Apyterewa

Segundo o Imazon, no ranking apenas das terras indígenas sob maior pressão, ou seja, com o maior número de ocorrências de desmatamento dentro de suas áreas, a Apyterewa ficou em terceiro lugar. Com todo o seu território no município paraense de São Félix do Xingu, um dos mais críticos em relação ao desmatamento, essa terra foi alvo de novas invasões de grileiros nesta semana. O que é uma grave ameaça à vida do povo Parakanã, que vive no local. 
Em primeiro lugar ficou a terra indígena Cachoeira Seca do Iriri, também no Pará. A maior parte de seu território é localizado em Altamira (76%), e o restante nos municípios de Placas (17%) e Uruará (7%). No local, vive o povo Arara.

Confira:

Áreas protegidas sob maior pressão
1ª – APA Triunfo do Xingu (PA)
2ª – APA do Tapajós (PA)
3ª – TI Cachoeira Seca do Iriri (PA)
4ª – Resex Jaci Paraná (RO)
5ª – Resex Chico Mendes (AC)
6ª – TI Waimiri Atroari (AM/RR)
7ª – APA Caverna do Maroaga (Presidente Figueiredo) (AM)
8ª – APA do Lago de Tucuruí (PA)
9ª – Esec da Terra do Meio (PA)
10ª – PES de Guajará-Mirim (RO)

Áreas protegidas sob maior ameaça
1ª – Flona do Aripuanã (AM)
2ª – TI Trincheira/Bacajá (PA)
3ª – TI Waimiri Atroari (AM/RR)
4ª – Flona do Jamanxim (PA)
5ª – TI Baú (PA)
6ª – Parna Mapinguari (AM/RO)
7ª – TI Cachoeira Seca do Iriri (PA)
8ª – TI Trombetas/Mapuera (AM/PA/RR)
9ª – Flona do Iquiri (AM)
10ª – FES do Rio Gregório (AC)


Terras indígenas mais pressionadas
1ª – TI Cachoeira Seca do Iriri (PA)
2ª – TI Waimiri Atroari (AM/RR)
3ª – TI Apyterewa (PA)
4ª – TI Alto Rio Negro (AM)
5ª – TI Karipuna (RO)
6ª – TI Manoá/Pium (RR)
7ª – TI Médio Rio Negro I (AM)
8ª – TI Moskow (RR)
9ª – TI Raposa Serra do Sol (RR)
10ª – TI São Marcos (RR)

Fonte: Imazon

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM