Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Baixa umidade do ar aumenta risco de incêndios florestais no sul e sudeste do Pará

Falta de chuvas, temperaturas altas e baixa umidade relativa do ar marcam o agosto dos paraenses

O Liberal

Imagine estar em uma cidade onde a temperatura alcança facilmente os 39.3°C e a umidade relativa do ar não chega a 23%? Esse é o cenário visto nos últimos dias  nas regiões sul e sudeste do Pará. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta que a pouca umidade nessas duas áreas do Estado aumenta consideravelmente o risco de incêndios em áreas de vegetação, dado o tempo muito seco. Em algumas cidades do sul do Pará não chove há mais de 60 dias. "Quando a umidade é baixa o tempo fica mais seco e as áreas de vegetação mais rasteira ficam mais suscetíveis a potenciais focos de incêndio", destaca José Raimundo Souza, diretor do 2° Distrito de Meteorologia do Inmet, em Belém.

VEJA MAIS

Combate ao incêndio em Novo Progresso prossegue, informa Corpo de Bombeiros
PF abriu inquérito para apurar se há ação ilegal nas queimadas e possíveis conflitos

Incêndio florestal: quatro cidades do Pará estão entre as 40 mais atingidas do Brasil
Cumaru do Norte, São Félix do Xingu, Santa Maria das Barreiras e Santana do Araguaia estão entre os 40 municípios onde o impacto do fogo é mais alto. Os incêndios não são naturais e tendem a se agravar com a expansão da agropecuária e mudanças climáticas

Polícia Civil prende acusado de práticas de incêndio florestal
Ele foi preso com uma arma irregular em Santana do Araguaia

O Inmet emitiu alertas amarelo e laranja para baixa umidade do ar em seis estados que apresentam índices entre 12 e 30%. Os cenários mais graves são vistos no Tocantins, Piauí, nordeste do Mato Grosso, norte de Goiás, Maranhão e extremo oeste da Bahia, onde a umidade relativa do ar não passa dos 20%. Por essa razão, há riscos de incêndios florestais e também à saúde das populações que vivem nessas regiões.

A umidade relativa do ar corresponde à presença de vapor de água nas atmosfera. Quando essa taxa é baixa, o tempo fica mais seco. "Uma massa de ar seco predomina no sul e sudeste do Pará, inibindo a formação de chuvas e provocando baixa umidade relativa do ar em municípios como Conceição do Araguaia, Santa Maria das Barreiras, Xinguara, Redenção, São Félix do Xingu e Marabá", informa José Raimundo.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em locais onde a taxa de umidade relativa do ar fica abaixo dos 30% há um risco maior à vida humana. Um indivíduo exposto a essa condição pode ter problemas respiratórios, ressecamento da pele e dos lábios, entre outros danos.

Em 12 de agosto, a temperatura em Conceição do Araguaia chegou a 39.3°C (a média é de 38°C), com uma sensação térmica de mais de 43°C. A umidade relativa do ar no município tem sido de 23%, e em Santa Maria das Barreiras, de 21%. 

No sul e sudeste do Pará, a umidade relativa registrada nos últimos dias é inferior a 30%. Nas duas regiões, a temperatura varia entre 37 e 39°C. No oeste do Pará, onde tem chovido com mais frequência, e a média da umidade relativa do ar está acima dos 40%. 

Belém

Em virtude da proximidade da baía e do fluxo de ventos vindos do oceano Atlântico, Belém tem registrado umidade relativa do ar mais amena. Em 16 de agosto, a taxa verificada foi de 46% - em geral essa média fica em torno de 45%, portanto, acima do parâmetro da OMS, de 30%.

José Raimundo Souza informa que tem chovido menos neste verão que nos anteriores. Em julho, a capital registrou um índice pluviométrico de 117 milímetros, bem abaixo do que se viu em anos anteriores, em que essa média chegou a 156 milímetros. "Dezessete, dos 31 dias do mês de julho, não tiveram chuva", acrescenta. Em agosto, até o momento, a capital do Pará só registrou 51,4 milímetros de chuva, ou seja, 36% da média dos últimos 30 anos (128.7 milímetros). 

Marabá

A Brigada de Combate a Incêndios da Defesa Civil Municipal atendeu, no último domingo (21), chamados de ocorrências de focos de queimadas em alguns pontos do município de Marabá. O maior deles, como informou a Prefeitura Municipal, foi registrado em áreas de fazendas no núcleo São Félix. Os agentes da brigada, em parceria com o Corpo de Bombeiros, Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) e Grupamento de Proteção Ambiental da Guarda Municipal, atuaram por mais de quatro horas até conter as chamas.

Outros dois focos pequenos foram registrados no bairro Independência, próximo ao balneário da Mocinha, e no Residencial Imperial, no bairro Infraero. Equipes também se deslocaram a esses pontos os focos foram contidos em menos de uma hora. A Brigada de Incêndios atua em conjunto com o Corpo de Bombeiros. As chamadas são recebidas pelo número 193 e também pela linha direta da própria Defesa Civil Municipal: (94) 99173-7173.

 

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM