Projeto altera Lei de Abuso de Autoridade e marco civil da internet

Advogado paraense Sávio Barreto vê com preocupação a proposta, que, para ele, pode ajudar na propagação de fake news

O Liberal
fonte

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 2782/22, de autoria do deputado José Medeiros (PL-MT), que altera a Lei de Abuso de Autoridade, tornando crime a remoção “injustificada” de publicação, página ou perfil na internet de deputado ou senador, com detenção prevista de um a quatro anos e multa. Para o advogado e professor paraense Sávio Barreto, a medida é uma reação contra as últimas decisões judiciais que vêm determinando a exclusão de conteúdos publicados por determinados parlamentares por caracterizarem propagação de fake news

VEJA MAIS

image Moraes desbloqueia redes de quatro políticos que questionaram eleições
Apesar da liberação, decisão do presidente do TSE estipula multa em caso de reincidência

image TSE amplia poder da Corte para barrar conteúdo que considerar fake news
No dia das eleições, plataformas terão uma hora para excluir material considerado inverídico

image Presidente do PCO defende voto impresso e critica bloqueio das redes sociais pelo STF
Rui Costa Pimenta concedeu entrevista ao Grupo Liberal em que fala de liberdade de expressão, sistema eleitoral, crise entre poderes e apoio às eleições de 2022

“Esse projeto de lei, sem dúvida, é uma reação de um partido de direita justamente para criminalizar a conduta do juiz que estabelece a exclusão desse tipo de conteúdo. Por isso vejo o PL com preocupação, até porque o sistema já tem regras claras a respeito do que é a liberdade de expressão e qual o limite dela. E também tem regras claras a respeito da imunidade parlamentar, do direito do parlamentar de expressar suas opiniões e críticas com liberdade, sem responder por crime de injúria, difamação, etc. Essas regras já existem na lei, já estão balizadas pela jurisprudência. O que não pode é inserir dentro da liberdade de expressão e da imunidade parlamentar a liberdade para propagar fake news, sobretudo diante do impacto que essas informações falsas produzem num pleito eleitoral perante a população”, acredita.

O texto da PL também pauta duas mudanças no marco civil da internet. Primeiro, estabelece que a ordem judicial para tirar do ar conteúdo publicado na internet por deputado ou senador deve indicar expressamente o abuso de prerrogativa parlamentar ocorrido, devendo a remoção se restringir somente aos trechos assim considerados. Depois, veda a remoção de publicação, página ou perfil na internet de deputado ou senador exclusivamente com fundamento em conteúdo de “natureza isolada e descontextualizada”.

Para o especialista, a liberdade de expressão e a imunidade parlamentar não podem permitir a propagação de conteúdos falsos ou tendenciosos. “Eu sou desfavorável a esse Projeto. O parlamentar tem a liberdade de expressão dele, tem a imunidade dele, mas está submetido, sim, ao crivo do judiciário, como qualquer cidadão, pelo abuso que ele cometer. É claro que podem ocorrer decisões erradas, exageradas, mas, nesse caso, é possível recorrer. Mas, se um projeto desses for aprovado, toda vez que o juiz estiver diante de uma manifestação de fake news de um deputado ou de um senador, ele vai ficar intimidado, não vai querer correr o risco de sofrer um processo criminal por causa da decisão que ele tomou”, acredita.

Palavras-chave

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA