Presidente do PT afirma que busca apoio de Simone Tebet e Ciro Gomes

Gleisi Hoffmann também comemorou o saldo de votos que o candidato petista recebeu

Emilly Melo

A presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, afirmou que pretende buscar novas alianças com outros partidos para vencer o segundo turno das eleições 2022. Em entrevista à GloboNews, Gleisi disse que o partido vai buscar apoio de Simone Tebet (MDB) e Ciro Gomes (PDT). 

Ela atacou o "uso da máquina pública" pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) na campanha. E comemorou o saldo de votos que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu no primeiro turno, o equivalente a 48,43% do total, enquanto Bolsonaro ficou em segundo lugar, com 51.071.277 votos válidos (43,2%).

VEJA MAIS

Bolsonaro diz em rede social que vai liberar 13º do Auxílio Brasil a mulheres
Custo da medida seria de R$ 10 bilhões para um pagamento adicional de R$ 600 a 16,85 milhões de famílias

'Eu já tenho um lado': Simone Tebet aguarda decisão de presidentes de partidos para se pronunciar
A candidata ficou em 3º lugar nas eleições para presidente e deve anunciar o seu apoio para o segundo turno ainda esta semana

Na Amazônia, Lula vence em 5 estados e Bolsonaro, 4. Diferença de votos na região é de 1,3 mi
No Pará, maior colégio eleitoral da região, Lula teve 52,22% do votos e Bolsonaro 40,27% da preferência do eleitorado

"Primeiro, é importante dizer que o recado das urnas foi de tirar Bolsonaro, a maioria votou contra Bolsonaro. É um recado claro, ele está sentado na cadeira da Presidência da República, é o primeiro presidente que disputa a reeleição e que chega em segundo lugar no primeiro turno. Lula fez mais de 6 milhões de votos à frente de Bolsonaro. Isso é um recado muito claro das urnas, o povo brasileiro quer trocar de presidente, quer mudança", disse.

Gleisi pontuou que a campanha petista sempre trabalhou com a hipótese de segundo turno e sabia que a disputa para encerrar a eleição no primeiro turno estava no limite. "Faltou pouco para a gente ganhar", disse. "O que não foi captado nas pesquisas foi esse crescimento do Bolsonaro, e acredito que foi muito no final. Nós chegamos vitoriosos, isso é importante dizer, e dentro daquilo que mais ou menos nós prevíamos."

(*Estagiária sob supervisão de Keila Ferreira, coordenadora do núcleo de Política)

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA