Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Ministro da Defesa avisa ao TSE que vai indicar militares para fiscalizar as urnas eletrônicas

Documento foi recebido com surpresa no Tribunal, pois não há precedentes na história da Justiça Eleitoral

O Liberal

Em ofício enviado na noite desta segunda-feira (20) ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, informa que vai indicar técnicos militares para atuarem como representantes das Forças Armadas na fiscalização das urnas eletrônicas. Nogueira ainda solicitou que o TSE indique um servidor do tribunal “para atuar como ponto de contato” com os militares, “a fim de facilitar a coordenação das ações que efetivem a aludida participação”.  As informações são do Estadão.

O documento causou surpresa ao TSE, de acordo com um servidor, uma vez que não há precedentes desse tipo de procedimento na história da Justiça Eleitoral.

VEJA MAIS

Diretor da CIA aconselha Bolsonaro a parar de questionar eleição no Brasil, diz agência
Em diversos eventos pelo país, o presidente chegou a alegar que irá acontecer fraude eleitoral devido às urnas eletrônicas adulteradas

Saiba o que as Forças Armadas perguntaram sobre urnas eletrônicas e o que o TSE respondeu
Tribunal divulga repostas que seriam secretas após Bolsonaro criticar sistema eleitoral

TSE diz que ‘não faz sentido’ questionamento do presidente sobre urnas
Jair Bolsonaro havia dito em live que Exército questionou ‘dezenas de vulnerabilidades’

Alexandre de Moraes é eleito presidente do TSE e conduzirá eleição
Ministro assumirá cargo a partir de agosto substituindo Edson Fachin

A legislação eleitoral prevê a participação dos militares como fiscalizadores das eleições e auditores das urnas, mas a partir de uma atuação compartilhada com dezenas de instituições, como a Polícia Federal, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Congresso e o Supremo Tribunal Federal.

Antes do envio do ofício, o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, acionou o TCE para solicitar uma reunião privada entre oficiais das três Forças e servidores da Justiça Eleitoral para debater as propostas da Defesa para as eleições deste ano. Fachin ainda não respondeu a esse pedido.

A relação entre as Forças Armadas e a Justiça Eleitoral tem se deteriorado desde que o representante da Defesa na Comissão de Transparência Eleitoral (CTE) na Corte, general Heber Garcia Portella, enviou mais de 88 perguntas ao Tribunal, reproduzindo discurso do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Nesta segunda-feira, durante reunião com membros da CTE, Fachin declarou que quem lança dúvidas sobre o sistema eleitoral, na verdade, questiona as escolhas dos eleitores e que o político que duvida do seu eleitor não é digno do mandato que exerce e desonra a história da democracia. “A Justiça Eleitoral está preparada para conduzir as Eleições de 2022 de forma limpa e transparente, como vem fazendo nos últimos 90 anos”.

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA