Bolsonaro diz lamentar mortes pelo coronavírus, mas é "destino de todo mundo"

Frase veio em resposta ao pedido de uma pessoa no portão do Palácio da Alvorada por uma palavra aos familiares enlutados

Reuters

No dia em que o Brasil registrou novo recorde diário de mortes por covid-19, o presidente Jair Bolsonaro disse que lamenta as mortes causadas pela epidemia, mas é o "destino de todo mundo".

"A gente lamenta todos os mortos, mas é o destino de todo mundo", disse Bolsonaro na manhã desta terça-feira, 2, em resposta ao pedido de uma pessoa no portão do Palácio da Alvorada por uma palavra aos enlutados.

À noite, o Ministério da Saúde informou que o Brasil registrou nesta terça um novo recorde diário de mortes em decorrência do coronavírus, com 1.262 óbitos, o que eleva o total no país para 31.199.

Também foram notificadas 28.936 novas infecções, fazendo com que a contagem total de casos no país atinja 555.383. O número, porém, não alcança o recorde para um só dia desde o início da pandemia, registrado em 30 de maio, quando houve mais de 33 mil novos casos confirmados.

A máxima diária anterior para as mortes por Covid-19 era de 21 de maio, com 1.188 óbitos.

O Brasil é o segundo país com maior número de casos de coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, que possuem pouco mais de 1,8 milhão de infecções, segundo contagem da Reuters.

O Brasil é o quarto país com mais mortes pelo coronavírus, abaixo somente de EUA, Reino Unido e Itália.

Política
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!