Vítimas de Curuçá e Augusto Corrêa, no Pará, estão entre os sobreviventes de acidente

Ônibus de turismo que saiu de Ananindeua capotou e caiu de despenhadeiro em rodovia no litoral do Paraná

Ana Carolina Matos

Uma mulher de Curuçá e um homem de Augusto Corrêa, ambos municípios do nordeste paraense, estão entre os sobreviventes do acidente que deixou 19 mortos e 33 feridos na manhã desta segunda-feira (25). O ônibus, que partiu de Ananindeua, na Grande Belém, tinha como destino a cidade de Balneário Camboriú, em Santa Catarina. Entretanto, o veículo despencou de um despenhadeiro na no quilômetro 668 + 10 da rodovia BR-376, em Guaratuba, no Paraná.

LEIA MAIS:

Acidente com ônibus de turismo que saiu de Ananindeua deixa 19 mortos e 33 feridos

Empresa de turismo responsável por ônibus que capotou diz que veículo foi fretado

Os nomes de Patrícia Macedo dos Santos (Curuçá - PA) e Silas Gomes de Brito (Augusto Corrêa - PA) foram divulgados pela Prefeitura de Guaruva, a pedido das próprias vítimas, por meio do Facebook. A medida visa auxiliar que os familiares saibam que eles estão bem e recebendo cuidados médicos.

Os pacientes passam bem e se encontram na Secretaria de Assistência Social de Garuva junto com mais sete pessoas. Segundo o comunicado, as outras sete vítimas já entraram em contato com seus familiares e não autorizaram a divulgação dos nomes. "Todos estão recebendo cuidados como alimentação, roupas, produtos de higiene e se for necessário, receberão abrigo no município na data de hoje e encaminhados para suas cidades", finaliza ainda a nota.

Mais informações podem ser retiradas na Assistência Social por meio do telefone (47) 3445-4042.

O veículo, que pertence à frota da empresa TC Turismo, sediada em Ananindeua, levava 53 passageiros, segundo quatro menores de idade, segundo a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). 

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA