Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Sem transporte, família carrega por quase um quilômetro caixão de homem que morreu afogado em Cametá

Serviço completo de assistência póstuma não teria sido disponibilizado para a família

Ana Laura Carvalho

Sem ter condições para custear o traslado do corpo, a família de Diego Santos, de 30 anos, precisou carregar o caixão a pé, no trajeto de aproximadamente um quilômetro, feito em cerca de dez minutos, que vai do Hospital Regional de Cametá até o Cemitério Municipal.

O homem morreu afogado, após cair no Rio Tocantins, que banha a cidade e a comunidade Curuçambaba, na zona rural, onde ele estava na última sexta-feira (6). O corpo dele só foi encontrado no domingo (8) pela manhã por um pescador, que compartilhou a informação até chegar ao conhecimento da família.

Ao se deslocar para a comunidade, imediatamente, a família fez o reconhecimento do corpo e iniciou os procedimentos do enterro, que ocorreu no domingo à tarde, depois de várias dificuldades. Uma delas foi com o transporte do caixão. “A prefeitura deu um caixão, mas foi só isso. Foi a única coisa que conseguimos. Não tinha transporte, não tinha nada. Tivemos que levar o corpo dele no sol quente até o cemitério, com a ajuda da nossa família e de amigos”, relembra a irmã de Diego, Narly Santos.

Ela acredita que, no momento da queda no rio, o irmão estaria sob efeito de álcool, o que pode ter dificultado com que ele conseguisse se salvar.

O prefeito de Cametá, Victor Cassiano, disse na tarde desta segunda-feira (9) à reportagem que recebeu com surpresa a notícia do caso. Segundo ele, o município disponibiliza o serviço completo de assistência póstuma, mensalmente, para cerca de 40 famílias de baixa renda. “De janeiro até aqui, é a primeira vez que isso ocorre. Não sabemos explicar o que pode ter acontecido”, declarou.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA