Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Quadrilha que fraudava o pagamento do auxílio emergencial é alvo de operação da PF em Belém

Agência lotérica localizada em Ananindeua é investigada por fazer pagamentos do benefício em valores que ultrapassam os R$ 19 milhões sem prestar contas

O Liberal

A Polícia Federal cumpriu, na manhã desta quarta-feira (20), durante a operação Thesaurus, três mandados de prisão temporária e 17 de busca e apreensão, na região metropolitana de Belém e na cidade de Natal (RN). Os alvos têm envolvimento com uma agência lotérica localizada em Ananindeua, investigada por fazer pagamentos do auxílio emergencial sem prestar contas do valor recebido, que ultrapassa os R$ 19 milhões. A proprietária do estabelecimento foi presa em setembro do ano passado. Na oportunidade, foram apreendidos três automóveis de elevado valor, identificados como frutos da lavagem de dinheiro. Esta é, segundo a PF, a maior fraude envolvendo o benefício já registrada no país.

De acordo com a Polícia Federal, a investigação decorre de notícia crime proveniente da Caixa Econômica Federal comunicando que, no período de abril a julho de 2020, uma agência lotérica de Ananindeua solicitou suprimentos no montante de R$ 19,1 milhões para o pagamento do auxílio emergencial, contudo não prestou contas do valor recebido. Durante as investigações, foi verificado que o dinheiro era lavado em Belém, Natal (RN) e São Paulo (SP), através da prática de agiotagem, abertura de empresas, compra de veículos e imóveis de luxo, geralmente em nome de parentes da investigada.

VEJA MAIS

PF monta força-tarefa para apurar fraude em auxílio emergencial Dados cadastrados no programa emergencial serão cruzados com informações do poder público.

PF prende grupo que fraudou R$ 10 milhões em auxílio emergencial Criminosos ostentavam uma vida luxuosa, de alto padrão, adquirindo veículos e imóveis caros

No final do ano passado, dois irmãos da proprietária da lotérica devolveram R$ 2,2 milhões, metade desse valor em dinheiro e a outra metade por meio de transferência bancária. A Justiça Federal também determinou o bloqueio de bens e valores dos investigados até o limite de R$16.682 milhões, além do sequestro de 23 imóveis. Entre apreensões, devolução de valores e bens sequestrados, estima-se que foram ecuperados cerca de R$ 12.481 milhões.

Auxílio emergencial: como conferir se o CPF foi usado em uma fraude Brasileiros podem consultar página do benefício para verificar dados

CGU identifica ricos entre beneficiários do Auxílio Emergencial Investigados receberam ao menos a primeira parcela do benefício

O nome da operação — tesouro em latim — faz alusão à expressiva quantia apropriada, suficiente para o pagamento de mais de 30 mil cotas de auxílio emergencial, sendo esta a maior fraude envolvendo o benefício já registrada no país. Os fatos investigados se enquadram nos tipos penais descritos nos artigos 312 (peculato) e 288 (associação criminosa), ambos do Código Penal, bem como no artigo 1º da Lei nº 9.613/98 (lavagem de capital).

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA