logo jornal amazonia

Advogados acusados de matar a mãe: MP pede prisão preventiva da filha

Para o MP, Juliana Giugni Cavalcante Soriano de Mello coloca em risco a integridade psicológica e física das testemunhas do caso estando em liberdade

O Liberal

O Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) acrescentou novos fatos e pediu, na última quinta-feira (29), a prisão preventiva da advogada Juliana Giugni Cavalcante Soriano de Mello, acusada do homicídio triplamente qualificado contra a própria mãe, Arlene Giugni da Silva. O coautor do assassinato é o irmão de Juliana, o advogado Leonardo Felipe Giugni Bahia. O crime ocorreu no dia 18 de janeiro deste ano, no apartamento dos acusados, no bairro da Batista Campos, em Belém.

O MPPA também pediu à Polícia Civil do Pará (PC-PA) que faça a reprodução simulada dos fatos, encaminhe os acusados Juliana e Leonardo à Polícia Científica do Pará (PCP), para a realização de exames de sanidade mental, oitivas de vizinhos e porteiros, além de novas perícias no colchão onde a vítima foi morta e nas roupas usadas por Juliana no dia do crime.

VEJA MAIS

image MPPA comprova que advogada acusada de matar a mãe estava com a arma do crime
De acordo com o promotor Franklin Lobato Prado, foram ouvidas algumas testemunhas que comprovam que a advogada Juliana Giugni Cavalcante Sobrinho de Melo é quem estava com a faca nas mãos

image Advogados acusados de matar a mãe: testemunha dá detalhes da cena crime em depoimento
Cinco pessoas foram ouvidas no dia 24 de junho e deram depoimentos sobre o caso

image Advogado que matou a mãe: Ministério Público aponta autoria do crime à irmã do advogado
O advogado Leonardo Felipe Giugni Bahia seria o coautor do crime e tentou matar a própria irmã, apontada como assassina da mãe

O pedido foi feito pelo Promotor de Justiça de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Franklin Lobato Prado. De acordo com matéria publicada no site do MPPA, em liberdade, Juliana coloca em risco a integridade psicológica e física das testemunhas do caso, as quais relataram que a acusada retirou objetos do apartamento, alguns dias após o crime ter ocorrido.

A primeira testemunha ouvida foi uma funcionária do condomínio, que relatou que Juliana solicitou a retirada do colchão onde a mãe foi assassinada, com o pretexto de que os vizinhos estariam reclamando do cheiro de sangue, o que não foi confirmado pela funcionária, segundo o MPPA. No segundo depoimento, um morador relatou que encontrou a acusada na garagem do condomínio com cerca de três malas, algumas caixas e sacolas retiradas do apartamento.

DNA da filha foi encontrado na faca usada no crime, diz MP

No pedido de prisão preventiva, o MPPA argumenta que as provas periciais comprovam a existência de material genético da acusada na faca utilizada para matar a sua genitora. Além disso, existem registros em vídeo que a mostram empunhando a arma do crime. Também leva em consideração que a ameaça à testemunha e as atitudes da acusada de retirar objetos da cena do crime, como colchão que ainda seria periciado, evidenciam que a autora agiu para obstruir as investigações.

image MPPA quer perícias, diligências e reprodução simulada do caso de advogado que matou a mãe
Promotor Franklin Prado busca elementos para subsidiar a denúncia contra o acusado

image 'Eu te amo, você é meu bebê', teria dito irmã de advogado que matou a mãe, antes de ser liberada
Segundo a Polícia Civil, a fala da irmã fez com que Leonardo Felipe Giugni Bahia desistisse de cometer outro crime

image PC não acredita que antialérgico possa ter causado surto psicótico em advogado que matou a mãe
De acordo com o delegado Cláudio Galeno, diretor da DH, especialistas dizem que o remédio, por si só, não produziria esse efeito

Ainda segundo o MPPA, pela conveniência da instrução criminal, constata-se que em liberdade, a acusada coloca em risco a integridade psicológica e física das testemunhas e as novas provas incluídas nos autos sustentam a prisão cautelar, sendo inquestionáveis a autoria e a materialidade do crime.

Além disso, a ré também é acusada de ter ameaçado a companheira do irmão e a filha dela no momento em que tentava persuadi-lo a assumir a autoria do crime de homicídio contra a mãe. As ameaças foram registradas em um boletim de ocorrência policial.

Levando em consideração esses fatos, a Promotoria de Justiça fez um novo aditamento à denúncia contra a acusada pelo crime de fraude processual, previsto no art. 347, parágrafo único, do Código Penal, por ter inovado artificiosamente, na pendência de processo penal, com o objetivo de induzir a erro o juiz ou o perito no processo criminal que responde.

Polícia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA