Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

'Mais pessoas estavam armadas e dispararam' no dia da morte de Yasmin Macedo, diz advogado

O advogado do médico legista afirmou que Euler Cunha era um dos que estavam armados no momento do passeio e que havia mais pessoas armadas

O Liberal

Na manhã desta quarta-feira (29), Euler Cunha, o médico legista que é considerado uma das testemunhas-chave no caso da morte da influenciadora digital Yasmin Cavaleiro de Macedo, voltou a prestar depoimento na sede da Divisão de Homicídios da Polícia Civil. Ao final do depoimento, Marco Antônio Pina, advogado de Euler, revelou detalhes que mudaram os rumos do caso: ele afirmou que havia pessoas armadas no dia em que Yasmin Macedo morreu e que tiros foram disparados naquele dia.

VEJA MAIS

Caso Yasmin: médico legista troca de advogado após duas semanas de investigações
Quem assume o caso é o advogado criminal Marco Pina. Já Antônio Tourão continua com a defesa do condutor da lancha.

Lancha em que Yasmin Macedo estava segue apreendida e deve passar por nova perícia
Além da embarcação, o telefone celular de Yasmin também deve ser periciado

Caso Yasmin: advogado de defesa irá pedir indiciamento caso haja falso testemunho nos depoimentos
As 18 testemunhas que estavam na lancha no dia que a influenciadora morreu serão ouvidas novamente

Segundo o que foi apurado pela Redação Integrada de O Liberal, o médico legista era um dos que estavam armados no momento do passeio. Ainda segundo o advogado de defesa, que assumiu recentemente o caso, Euler e os outros ouvidos no caso Yasmin omitiram informações em seus primeiros depoimentos.

“O Euler veio aqui hoje e esclareceu tudo que aconteceu, o que viu e o que ouviu naquela fatídica noite. Ele revelou fatos importantes. Existiu disparo de arma de fogo, sim, e não havia só uma arma na embarcação. A partir de hoje, a investigação entrou em um novo rumo. Outras pessoas foram mencionadas, e fatalmente, serão intimadas a depor”, disse o advogado.

Euler Cunha (Cristino Martins / O Liberal)

Marco Antônio contou que, pelo menos três pessoas estavam armadas e que vários tiros foram disparados, mas não confirmou, diretamente, que Euler foi um dos que disparou. "Mais pessoas estavam armadas e mais pessoas também dispararam tiros de arma de fogo naquela noite", revelou.

"Eu vim para colaborar com a verdade, e todos os fatos foram informados à autoridade policial, e fica a critério deles se vão repassar para os senhores ou não. Eu quero colaborar com as investigações", disse Euler, também conhecido como "Dr. Léo", que falou com a imprensa ainda na delegacia, revelando que entregou voluntariamente seu celular à polícia, com a senha, para mostrar que ele não tinha relação íntima com a vítima, apenas conhecendo a jovem por meio de amigos em comum.

'Mais pessoas estavam armadas e dispararam' no dia da morte de Yasmin Macedo, diz advogado

Perguntando sobre a arma de fogo que ele supostamente carregava, Euler reforçou que somente a Polícia Civil pode relatar esse detalhe. "Eu não posso falar para não atrapalhar as investigações", disse Euler, antes de se calar após ser perguntado novamente sobre a arma de fogo.

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA