Filho e mulher de funcionário do Banpará são sequestrados em Mosqueiro

Redação Integrada

Roger da Silva Moraes foi preso por policiais civis e militares, no distrito de Mosqueiro, pertencente à cidade de Belém, sob a acusação de participar do sequestro da esposa e do filho do tesoureiro da agência do Banpará, na própria Ilha, com interesse de pagamento de resgate em dinheiro, crime que no jargão policial é conhecido como "Sapatinho", extorsão mediante sequestro.

O caso foi registrado pela Delegacia de Repressão a Roubos a Bancos e Antissequestro (DRRBA), que comunica que Roger da Silva foi preso por volta das 2h, da madrugada desta sexta-feira (29). Ele e seus comparsas chegaram, segundo a polícia, a manter os familiares do empregado do Banpará em cativeiro numa casa no bairro do Murubira.

Mas, a intenção do grupo de sequestradores não foi para frente porque o funcionário do Banpará, já orientado pelos policiais civis da DRRBA, não fez depósito do pagamento do resgate na agência indicada.

Segundo a polícia, Roger Moraes foi preso em flagrante na frente da agência do Banpará quando estava se comunicando com integrantes de seu grupo. De imediato, ele foi apresentado à Delegacia de Polícia Especializada. No interrogatório, o acusado confessou sua participação no crime, dando detalhes do esquema engendrado para conseguir os recursos financeiros em troca da liberdade dos sequestrados.

 

A polícia informou que o acusado já está à disposição da Justiça e as vítimas foram liberadas ilesas pelos comparsas de Roger, que fugiram. As investigações continuam em Mosqueiro e demais regiões para prender os demais criminosos.

 

Polícia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM POLÍCIA