logo jornal amazonia

Empresário deficiente visual encontra corpo de adolescente desaparecido no Rio Itacaiúnas

Evandro Lima, conhecido como "Cegão", é mergulhador profissional e se voluntariou nas buscas pelo corpo de Pedro Henrique Pereira, de 16 anos

Tay Marquioro
fonte

O trabalho voluntário de um empresário marabaense levou ao paradeiro do corpo do adolescente Pedro Henrique Pereira, de 16 anos, desaparecido desde a última segunda-feira (26), no Rio Itacaiúnas. Evandro Oliveira Lima, além de empreendedor, é mergulhador profissional de grandes profundidades. Acionado por um amigo da família da vítima, ele não hesitou em se dirigir até o local com seus equipamentos.

"Me chamaram na terça-feira (27) pela manhã, mas só por volta das 18h consegui reunir meus equipamentos. Quando cheguei no local, havia outros voluntários e bombeiros civis mergulhando à procura do garoto", contou Evandro, que é conhecido em Marabá pelo apelido "Cegão". O mergulhador lembra que ainda teve o cuidado de pedir o auxílio de um profundo conhecedor da área onde o adolescente submergiu. "É um local com muitas pedras, seria um risco percorrer com um piloto inexperiente".

VEJA MAIS

image Deficiente visual resgata corpo no Rio Tocantins, em Marabá
Evandro Oliveira protagonizou gesto ousado e solidário na orla da cidade

O corpo da vítima foi encontrado poucas horas depois. E os registros do momento do resgate do corpo percorreram as redes sociais. "Só foi possível encontrar o rapaz porque a família apontou onde ele havia desaparecido. Isso é fundamental para que eu tenha uma noção da área onde o corpo pode ter ido parar", explica Evandro, que já havia encontrado outro corpo, no último dia 27 de junho, bem em frente à orla do Rio Tocantins, principal ponto turístico da cidade.

Relembre o caso

Pedro Henrique Pereira estava desaparecido desde a última segunda-feira (26), por volta de 14h, nas águas do Balneário da Mocinha, no município de Marabá, no sudeste do Pará. O jovem sumiu após tentar atravessar o Rio Itacaiúnas, enquanto nadava com os amigos.

Fernando Pereira, pai de Pedro, contou que o filho costuma nadar com os amigos depois de sair da oficina mecânica onde trabalhava com o genitor. Colegas do adolescente contaram que ele chegou a reclamar de câimbra e começou a pedir ajuda, se debatendo no meio da travessia. O grupo teria ido até seu encontro para ajudá-lo, mas, na tentativa, e no desespero de se salvar, Pedro agarrava os amigos e os puxava involuntariamente para o fundo.

Os amigos de Pedro também disseram que a situação ficou ainda mais complicada por conta da forte correnteza do rio. Segundo eles, Pedro teria afundado, não retornando mais à superfície. Conforme o depoimento da família, após o ocorrido, os amigos foram até a casa dos pais do jovem e avisaram a mãe, Cintia Oliveira, sobre o que havia acontecido.

O Corpo de Bombeiros foi rapidamente acionado, mas, de acordo com a mãe do jovem, só fizeram buscas superficiais. Eles teriam afirmado que não dava para fazer as buscas nas profundezas do rio pela falta de mergulhadores e equipamentos em Marabá, principalmente, porque a profundidade do balneário é estipulada em 15 metros. À época do desaparecimento de Pedro Henrique, a reportagem chegou a questionar o Corpo de Bombeiros Militar sobre a ausência de pessoal e equipamentos especializados na cidade, mas não teve resposta. 

Polícia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍCIA

MAIS LIDAS EM POLÍCIA