Marabá: baixa procura por vacinas nas unidades de saúde preocupa autoridades

Inverdades sobre a eficácia dos imunizantes tem afetado muito as campanhas de vacinação

Tay Marquioro
fonte

Assim que soube da disponibilização de vacina contra a poliomielite nas unidades básicas de saúde de Marabá, no sudeste do Estado, a dona de casa Carolina de Souza tratou de arrumar um tempinho nas obrigações diárias para atualizar a carteira de vacinação do filho. “Ele não gosta muito, mas a gente tem que trazer, não é? Ele fez quatro anos no mês passado, mas nós vivemos na zona rural e ele estuda também. Então só pude trazer hoje para vacinar, tiramos o dia para isso”, disse a mãe. “Não pode é deixar atrasar. Vacina é saúde”, concluiu.

Mas o entusiasmo e esforço de Carolina parece ainda não ter contagiado a maior parte da população marabaense, que não tem procurado pelo imunizante nas unidades de saúde. Na maior parte dos postos de saúde, o que se vê são corredores vazios e vacinas se acumulando. “Está muito aquém do que nós esperávamos e o que nós ouvimos de usuários do posto de saúde é uma série de informações inverídicas sobre as vacinas. Essa mística que se criou sobre a eficácia dos imunizantes em geral tem afetado muito o nosso desempenho nas campanhas de vacinação”, analisou Dilceu Barroso, gerente da Unidade Básica de Saúde Hiroshi Matsuda, na Folha 12.

Como alternativa para a baixa adesão da população, os profissionais de saúde têm executado táticas diversas para garantir que a imunização chegue ao maior número de pessoas possível. “Nós temos agido de diversas maneiras. Mais recentemente, as equipes de Estratégia Saúde da Família iniciaram a busca ativa e estão verificando a situação da vacinação de crianças de porta em porta. Mesmo assim, é comum os servidores encontrarem resistência por parte dos familiares”, lamenta Barroso.

image Postos de saúde têm corredores vazios e vacinas se acumulando (Tay Marquioro/ O Liberal)

A busca ativa de crianças para atualização da carteira da vacinação também é feita nos Núcleos de Educação Infantil do município. Mas apesar dos esforços das equipes de saúde, o quantitativo de doses efetivamente aplicadas nas crianças continua baixo. “Nós enviamos os profissionais às escolas, mandamos uma declaração para os pais autorizarem a imunização, mas de um universo de cinquenta crianças, conseguimos vacinar, no máximo, dez”, exemplifica Fernando Gomes, coordenador de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde de Marabá.

Apesar da campanha nacional de imunização contra a poliomielite ter sido encerrada no final de setembro, o imunizante continua disponível nas unidades de saúde. A procura tímica em Marabá é um reflexo da baixa adesão em nível nacional. De acordo com um levantamento feito pelo Ministério da Saúde, a vacinação atingiu apenas 54,21% das crianças com idade entre um e menores de cinco anos com a imunização contra a pólio. “A nossa maior preocupação é com o recrudescimento da doença. Precisamos evitar que a pólio volte e só ampliando a cobertura vacinal é possível controlar esse quadro”, diz o coordenador.

Pará
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ