Criança morre com suspeita de H1N1 em Redenção

Segundo a Sespa, também foi confirmado que outra criança e uma mulher estão internadas com sintomas da doença no município

Redação Integrada

Uma criança morreu com suspeita de H1N1 no Hospital Regional do Araguaia, em Redenção, sudeste do Pará. Ainda não foi divulgada a data do óbito. Além disso, uma mulher e outra criança estão internadas com sintomas parecidos no mesmo hospital. As informações foram confirmadas, nesta quarta-feira (15), pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

"O Hospital Regional de Redenção recebeu três pacientes, sendo uma adulta e duas crianças, oriundos de um hospital particular do município e com diagnóstico inconclusivo", informou em nota.

"Uma das crianças foi a óbito logo após a entrada no Hospital Regional e não houve tempo hábil para coletar material, que pudesse identificar qual vírus das Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG) causou a morte", detalhou.

Já a outra criança e a mulher seguem internadas em estado estável com quadro de Síndrome Respiratória Aguda (SRA) e não evoluíram para a classificação grave devido ao tratamento administrado com o antiviral Oseltamivir (Tamiflu), conforme preconizado pelo protocolo do Ministério da Saúde.

"Os dois pacientes já tiveram material coletado a fim de que seja identificado qual vírus das Síndromes Respiratórias (H1N1; H3N2; Influenza A não subtipado; Influenza B; Parainfluenza 1; Parainfluenza 2; Parainfluenza 3; Vírus Sincicial Respiratório; Ademovírus e Metapneumovírus) ocasionou os sintomas", explicou a nota da Sespa.

Síndromes Respiratórias Agudas Graves 

A SRAG é um agravamento de um quadro gripal, portanto é muito importante que a população tome a vacina que pode evitar a doença e pode ser muito grave em pessoas que fazem parte dos grupos prioritários, principalmente, crianças, mulheres gestantes, idosos e pessoas com doenças crônicas.

Para a realização da Campanha de Vacinação, estão funcionando 2.958 postos de vacinação fixos, 758 volantes terrestres e 62 volantes fluviais, com 5.338 equipes de vacinação, totalizando 21.350 pessoas envolvidas.

Prevenção

No que se refere às medidas a serem adotadas pela população, a Sespa destaca, além da vacinação, lavar e higienizar as mãos antes de consumir alimentos; após tossir e espirrar, utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir nariz e boca e evitar tocar nas mucosas dos olhos, nariz e boca.

Também não é aconselhável compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos e garrafas; manter os ambientes bem ventilados; e evitar ficar perto de pessoas com sinais e sintomas de gripe.

Pará