Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Com 55 mil habitantes, Acará celebra, nesta terça, 147 anos de fundação

A cidade é rica em cultura e diversidade e tem um comércio muito movimentado

O Liberal

Com uma população de aproximadamente 55 mil habitantes, o município de Acará, distante cerca de 100 quilômetros de Belém, pela Alça Viária, celebra, nesta terça-feira (19), o seu 147º aniversário. O município foi fundado durante a fase do Brasil Colonial, na Província do Pará e do Maranhão. A cidade está em festa desde domingo (17), quando foi aberta a programação organizada pela prefeitura local para comemorar a data.

Mais show serão realizados nesta segunda-feira (18) e nesta terça-feira (19). Acará é uma cidade tradicional, que faz parte da mesorregião do nordeste paraense e da microrregião de Tomé-Açu, fazendo limite com os municípios de Belém, Tomé-Açu, Tailândia e Bujaru, às margens do rio Acará que, na língua tupi, significa "aquele que morde".

Também chamada de São José de Acará, que tem no santo o seu padroeiro, festejado em 19 de março, Acará tem tendências de atividades agropastoris. E, nos últimos anos, se voltou para o agronegócio, com a implantação de grandes projetos de produção e beneficiamento da palma de dendê.

VEJA MAIS:

Círio Fluvial de São José reúne 700 devotos em Acará
A festividade começou no dia 19 de fevereiro e segue durante 30 dias com procissões e outras atividades religiosas

Círio do Acará retoma atividades religiosas nas ruas neste domingo (21)
Estimativa da organização é de que quatro mil pessoas participem do Círio com tema 'Com Maria e José a palavra se fez carne'

 

Há quem diga que a cidade pertence, também, à zona metropolitana de Belém em função da proximidade com a capital 

Hoje, Acará é um importante polo de desenvolvimento às proximidades da capital paraense, interligada por rios e por rodovias, com passagem de balsas sobre o rio Acará em dois pontos. Há quem diga, entre os acaraenses, que a cidade pertence, também, à zona metropolitana de Belém em função da proximidade com a capital do Estado.

A cidade é rica em cultura, em diversidade, com um comércio muito movimentado, hotéis, restaurantes e uma rotina de trabalho, movimento e alegria entre os acaraenses. Segundo dados do site oficial da prefeitura de Acará, o surgimento do município remonta ao período em que os colonizadores portugueses realizavam a exploração do território paraense em direção ao interior do Estado do Grão Pará, nomenclatura do Estado do Pará, no período colonial, e também em rumo ao Maranhão, utilizando como via de penetração o próprio curso dos rios.

Foi assim que, ao percorrem o rio Acará, os portugueses puderam observar a facilidade da navegação naquelas águas e, em terra firme, constataram a sua fertilidade e a abundância de madeiras de lei. Atraídos por todas essas condições favoráveis, os colonizadores decidiram se instalar no local, onde foi montado um núcleo de colonização que, mais tarde, tornou-se a sede do município de Acará.

A configuração de São José de Acará como município se deu dentro dos alcances da própria Lei Provincial, que outorgou sua elevação à categoria de Vila. Fontes históricas revelam que o primeiro presidente da sua Câmara Municipal foi D. Antônio Carlos de Paiva. Por outro lado, o nome do município advém de uma expressão que significa: “aquele que morde”, uma referência direta aos peixes que se encontram nos rios de água doce, em particular, no rio Acará.

Logo após a proclamação da República, o Governo Provisório no Estado dissolveu a Câmara Municipal de Acará, em 19 de fevereiro de 1890, mediante a promulgação do Decreto nº 46. E, na mesma data, através do Decreto 47, criou o Conselho de Intendência Municipal, elegendo, para o cardo de Intendente, Francisco Xavier Armandio de Oliveira.

Após um ano sem festa presencial, fiéis católicos realizaram, em março, uma procissão pelas ruas do município de Acará, em homenagem a São José, padroeiro da cidade. A 'Procissão dos Lírios' encerrou a festividade, após 30 dias de programação (Foto: Ray Nonato)

História do município registra fatos marcantes

A história recente do município, no período da República, registra fatos marcantes relativos à sua configuração político-administrativa. Após a Revolução de 1930, por meio do decreto estadual nº 06, de 4 de novembro, o município de Acará foi extinto e seu território anexado ao do município de Belém, medida esta confirmada, no mesmo ano, pelo decreto estadual nº 78 de 27 de dezembro.

Entretanto, dois anos mais tarde, em 1932, pela Lei Estadual nº 579, de 8 de janeiro, o território de Acará foi desanexado de Belém, tendo sido reconhecido como município em 31 de outubro de 1935, ganhando novamente, sua autonomia. Conforme o estipulado na Lei nº 1.127, de 11 de marco de 19, o município de Acará vivenciou a tentativa de desmembramento do seu território para permitir a constituição do município de Tome-Açu que, até então, era distrito deste.

Essa Lei, no entanto, foi considerada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal, em 4 de outubro daquele mesmo ano, fato este que inviabilizou o desmembramento. Quatro anos depois, em 1959, o Governo do Estado promulgou a Lei Estadual nº 172, em 17 de março, mediante a qual foi criado, em definitivo, o município de Acará, desta vez para possibilitar a configuração territorial do município de Tailândia que, por esse instrumento legal, foi criado.

Festividade do padroeiro

Após um ano sem festa presencial, fiéis católicos realizaram, em março deste ano, uma procissão pelas ruas do município de Acará em homenagem a São José, padroeiro da cidade. A "Procissão dos Lírios" encerrou a festividade, após 30 dias de programação.

Cerca de 800 pessoas saíram em caminhada após a santa missa, realizada na igreja matriz e presidida pelo bispo diocesano de Abaetetuba, Dom José Maria. O cortejo durou cerca de 1h15m, com um percurso de 4 km. O trajeto é o mesmo realizado no círio de Nossa senhora de Nazaré, em Acará.A festividade teve como tema "São José exemplo de educador e homem eucarístico”, fazendo referência ao ano paroquial eucarístico em torno da campanha da fraternidade de 2022.

As cores deste ano foram vermelho e branco, com referência à santíssima eucaristia e ao corpo e sangue de Jesus Cristo. Por causa da pandemia da covid-19, a procissão presencial não foi realizada em 2021. A organização explicou que a procissão só pôde ser realizada por causa da queda de números de casos de covid-19 e ao avanço da vacinação na cidade.

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM PARÁ

MAIS LIDAS EM PARÁ