Com 162 mortes e 1.710 novos casos, Pará tem o pior dia da pandemia

Número de óbitos no Estado ultrapassou a marca dos 1.500 e total de casos confirmados se aproxima de 20 mil

João Paulo Jussara

O Pará teve, nesta terça-feira (19), o seu pior dia de pandemia do novo coronavírus. Mais uma vez, o Estado bateu o próprio recorde de mortes e casos confirmados de covid-19 em 24 horas, com 162 óbitos e 1.710 novos pacientes positivados. Com isso, o Pará ultrapassou a marca dos 1.500 óbitos: até agora, a doença fez 1.554 vítimas paraenses. O total de casos confirmados em território paraense chegou a 17.177. O boletim de casos foi atualizado pela Secretaria de Saúde de Estado (Sespa) às 19h.

 

 

Nesta terça, segundo a secretaria, 451 pacientes venceram a batalha contra a covid-19, e o número de recuperados no Estado chegou a 10.815. Ainda há 135 casos suspeitos em análise, e 4.895 já foram descartados, ou seja, os pacientes em questão não estavam com o coronavírus Sars-CoV-2. Os dados detalhados dos casos no Pará podem ser acessados através do site oficial de monitoramento da Sespa.

De acordo com o boletim da secretaria, três bebês com menos de um ano de idade morreram por covid-19 nesta terça, dois no município de Barcarena e um em Curuçá, no nordeste do Estado. Em Castanhal, uma idosa de 100 anos também foi vítima da doença. Do total de óbitos registrados no dia, 63 são de pacientes do sexo feminino e 99, do masculino.

As mortes confirmadas nesta terça são de pacientes dos municípios de Abaetetuba (3), Ananindeua (9), Augusto Corrêa (1), Barcarena (24), Belém (61), Breves (2), Cachoeira do Arari (1), Cametá (4), Castanhal (18), Curuçá (12), Dom Eliseu (1), Ipixuna do Pará (1), Jacundá (1), Magalhães Barata (1), Marabá (1), Melgaço (2), Mocajuba (2), Paragominas (6), Parauapebas (2), Portel (2), Santo Antônio do Tauá (1), São Caetano de Odivelas (1), São João de Pirabas (1), Tailândia (1), Tucuruí (2), Vigia (1) e Xinguara (1).

Curva de contaminação continua subindo

Os dados divulgados no site de monitoramento da Sespa indicam que a curva de contaminação no Pará continua em crescimento. No dia 20 de abril, o Estado contou 217 novos casos de covid-19. Dez dias depois, no dia 30, o número de casos confirmados em um dia quase dobrou: foram 413 novos registros. No dia 6 de maio, um novo recorde: 768 novos casos.

Três dias depois, em 10 de maio, o número de casos confirmados em 24 horas caiu para 330, alimentando a esperança de que a curva iria, finalmente, começar a cair. Porém, nos dias seguintes, o Estado viu o número de casos diários alavancar, chegando a 1.285 novos registros somente no dia 13. 

Esses números voltaram a cair até o dia 17, quando o Estado contou 737 novos casos. De lá para cá, os casos confirmados em 24 horas só aumentaram, passando para 1.266 casos no dia 18 e chegando a 1.710 no dia 19, pico da contaminação no Estado desde o início da pandemia.

Pico no Estado ocorre um dia após prefeito anunciar plano de retomada de atividades

O pico de mortes e casos confirmados no Pará acontece um dia após o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, anunciar que um cronograma para retomada das atividades comerciais será definido na próxima quinta-feira (21) pela prefeitura junto a representantes do setor empresarial. A expectativa do prefeito é de que o comércio seja reaberto já na próxima segunda-feira (25).

Belém é o epicentro do novo coronavírus no Pará, e contava, até às 19h desta terça-feira (19), 7.007 casos confirmados e 772 óbitos, o que representa uma taxa de letalidade de 11.02%. Os dados são da Sespa.

 

Pará
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM PARÁ