Morre iraniano que viveu por 18 anos em aeroporto e inspirou filme com Tom Hanks

Mehran Karimi Nasseri sofreu um infarto no aeroporto Charles de Gaulle em Paris, que ele chamava de lar

O Liberal
fonte

Ao 77 anos, Mehran Karimi Nasseri, o iraniano que viveu por 18 anos no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, na França, e cuja saga inspirou o filme "O Terminal" (2004) de Steven Spielberg, morreu de infarto, neste sábado (12). Ele morou no aeroporto de 1988 a 2006. Primeiro, por falta de documentos de residência e depois por vontade própria. Ele dormia em um banco de plástico vermelho e tomava banho nas instalações dos funcionários, de quem era amigo.

VEJA MAIS

image Jovem é detida em aeroporto com plug anal com as cinzas do namorado
O scanner corporal identificou que ela carregava um objeto “estranho” no próprio corpo. O brinquedo sexual foi um presente do namorado da jovem de 23 anos, morto há alguns meses

image Polícia Federal prende estuprador no Aeroporto Internacional de Belém
O homem vinha de Santa Catarina e tinha mandado de prisão pelo crime de estupro de vulnerável expedido pela Justiça do Pará

image Ovnis? Pilotos relatam luzes não identificadas no céu de Porto Alegre
O caso foi registrado pela Central de Controle do Aeroporto Salgado Filho por volta de 23h desse sábado

O iraniano passou a ser quase uma celebridade entre os passageiros, principalmente depois do lançamento do filme de Spielberg, no ano de 2004, com Tom Hanks como protagonista. Nasseri nasceu em 1945 em Soleiman, uma parte do Irã, então sob jurisdição britânica. Ela era filho de pai iraniano e mãe britânica.

Nassri deixou o Irã para estudar na Inglaterra em 1974, quando voltou, disse ele, em entrevistas à imprensa do Reino Unido, que foi preso por protestar contra o xá e expulso sem passaporte

Ele pediu asilo político em vários países da Europa. A entidade Acnur na Bélgica deu credenciais de refugiado para Nasseri, mas a pasta com o documento teria sido roubado em uma estação de trem de Paris. A polícia francesa mais tarde o prendeu, mas não conseguiu deportá-lo para nenhum lugar porque ele não tinha documentos oficiais.

Ele acabou no Charle de Gaulle em agosto de 1988 e foi ficando. Quando finalmente recebeu os documentos de refugiado, ele descreveu sua surpresa e sua insegurança ao deixar o aeroporto. Ele teria se recusado a assinar os documentos e acabou ficando por lá por mais alguns anos até ser hospitalizado em 2006, e depois morar em um abrigo em Paris.

Ele voltou a morar no aeroporto Charles de Gaulle algumas semanas antes de morrer neste sábado.

Mundo
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO