Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Guerra na Ucrânia: Papa Francisco quer se encontrar com o presidente da Rússia, Vladimir Putin

Ele solicitou uma reunião em Moscou com o mandatário russo e aguarda a resposta

O Liberal

Na tentativa de acabar com a guerra na Ucrânia, que começou no dia 24 de fevereiro, o Papa Francisco afirmou que pediu uma reunião, em Moscou, na Rússia, com o presidente russo Vladimir Putin. Ainda não houve resposta do Kremlin. As informações são do G1 Mundo.

VEJA MAIS

Papa Francisco critica ataque na Ucrânia durante discurso de Páscoa: ‘cruel e sem sentido’ Entre as mais de 50 mil pessoas presentes, estava o prefeito da cidade ucraniana de Melitopol, Ivan Fedorov, que foi sequestrado por forças russas no mês passado e libertado em troca de prisioneiros

Rússia x Ucrânia: 'O mundo escolheu matar o irmão', diz papa Francisco sobre guerras recentes O papa Francisco lamentou as guerras ao redor do mundo, especialmente os conflitos mais recentes como o registrado entre Rússia e Ucrânia. "

GUERRA: Papa Francisco ergue bandeira da Ucrânia vinda de Bucha e condena massacre Pontífice afirmou que as notícias recentes atestam novas atrocidades na guerra entre Rússia e Ucrânia: “Silenciem as armas! Parem de semear a morte e a destruição”, implorou

Ele informou sobre o pedido durante entrevista ao jornal italiano "Corriere Della Sera", na última terça-feira (3). Até então, o líder da Igreja Católica já havia abordado a guerra na Ucrânia, mas não mencionava especificamente a Rússia ou Putin publicamente, desde o início do conflito em 24 de fevereiro.

Francisco, que fez uma visita à embaixada russa quando a guerra começou, revelou que cerca de três semanas após o início do conflito, pediu ao principal diplomata do Vaticano que enviasse uma mensagem a Putin.

 "Certamente, era necessário que o líder do Kremlin permitisse uma abertura. Ainda não recebemos uma resposta e continuamos insistindo", afirmou.

"Temo que Putin não possa e não queira ter esta reunião neste momento. Mas como você pode não parar com tanta brutalidade?", completou.

Tensão entre igrejas

Durante a entrevista, o Papa Francisco também declarou que o patriarca Kirill, da Igreja Ortodoxa russa, que deu à guerra seu apoio total, "não pode se tornar o coroinha de Putin". O líder ortodoxo russo reagiu à fala, por meio de um comunicado oficial: "O Papa Francisco escolheu um tom incorreto. Essas declarações dificilmente contribuirão para o estabelecimento de um diálogo construtivo entre a Igreja Católica Romana e as Igrejas Ortodoxas Russas", afirmou o Patriarcado de Moscou.

As duas igrejas vinham ensaiando um diálogo, mas as recentes declarações elevam as tensões entre elas. Ambos tinham um encontro agendado para junho em Israel, mas, na semana passada, o Papa anunciou que decidiu cancelar a reunião após ser aconselhado pelo Vaticano, por conta da postura de Kirill sobre a guerra.

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO