Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Covid: Quase um terço dos pacientes retornam ao hospital em quatro meses

Análise em 48 mil registros também revela que um em cada oito pacientes morre dentro de quatro meses após a alta

Redação Integrada com informações do The Guardian

Quase um terço das pessoas que estiveram no hospital se tratando de covid-19 são readmitidas para tratamento adicional dentro de quatro meses após a alta. E um em cada oito pacientes morre no mesmo período, revelou estudo feito por médicos do Reino Unido.

O impacto impressionante de longo prazo da doença levou os médicos a solicitarem testes e monitoramento contínuos de pacientes com ex-contaminados para detectar os primeiros sinais de danos aos órgãos e outras complicações causadas pelo vírus.

Embora a covid seja amplamente conhecida por causar sérios problemas respiratórios, o vírus também pode infectar e danificar outros órgãos, como coração, fígado e rins.

Pesquisadores da University College London, do Escritório Nacional de Estatísticas e da Universidade de Leicester compararam registros médicos de quase 48 mil pessoas que fizeram tratamento hospitalar para covid e receberam alta em 31 de agosto de 2020, com registros de um grupo de controle correspondente de pessoas na população em geral.

Os registros foram usados ​​para monitorar as taxas de readmissão, de mortes e de diagnósticos para uma série de doenças respiratórias, cardíacas, renais, hepáticas e metabólicas, como diabetes.

Mortalidade alta

Após um tempo médio de acompanhamento de 140 dias, quase um terço dos pacientes de covid que tiveram alta hospitalar foram readmitidos no hospital e cerca de um em cada oito morreu, taxas consideravelmente mais altas do que as observadas no grupo de controle.

“Esta é uma preocupação e precisamos levá-la a sério”, disse o médico Amitava Banerjee, do Institute of Health Informatics da University College London. “Mostramos de forma conclusiva aqui que isso está muito longe de ser uma doença benigna. Precisamos monitorar os pacientes pós-covid para que possamos detectar o comprometimento de órgãos desde o início.”

Sintomas inexplicáveis ​​que persistem por mais de quatro meses são geralmente descritos como “covid persistente” ou “síndrome pós-covid”, mas os médicos ainda estão descobrindo os padrões de danos aos órgãos em longo prazo que podem ser causados ​​pela infecção.

Novos diagnósticos de doenças respiratórias e cardíacas e diabetes foram levantados nesses pacientes em comparação com o grupo de controle, assim como problemas com a função de vários órgãos. A taxa de disfunção de múltiplos órgãos após a alta foi maior entre os pacientes com menos de 70 anos em comparação com aqueles com mais de 70, e a taxa foi maior nas minorias étnicas do que na população branca.

Alerta

O estudo revelou que, embora as condições existentes, como doenças cardíacas, diabetes e doenças respiratórias, coloquem as pessoas em maior risco de contrair a doença de covid grave, a própria infecção pode causar esses problemas médicos.

“Até agora, tendíamos a pensar em doenças cardíacas, renais e diabetes como fatores de risco para os pacientes da Covid, mas essas também são complicações da covid”, disse Banarjee.

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO