Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Boris Johnson diz que invasão na Ucrânia é exemplo de ‘masculinidade tóxica’

Primeiro ministro britânico afirmou que se o presidente da Rússia, Vladimir Putin, fosse mulher, não teria invadido a Ucrânia, ato que considera ‘maluco e machista’

O Liberal

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou que a invasão na Ucrânia é "maluca e machista" e um "exemplo perfeito de masculinidade tóxica". As declarações foram dadas durante entrevista à emissora alemã ZDF após a cúpula do G7, (das nações mais ricas do mundo), nesta terça-feira (28), véspera da reunião da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em Madri, na Espanha, em que aliados discutirão como responder a futuras ameaças. As informações são da BBC.

Durante a entrevista, o primeiro ministro britânico também defendeu "mais mulheres em posições de poder" e afirmou que se o presidente russo fosse mulher, não teria invadido a Ucrânia.

VEJA MAIS

Boris Johnson apresentará plano de ação internacional com seis pontos para conter Putin
Através de um comunicado, o primeiro-ministro britânico disse que o presidente russo deve parar os ataques; plano será detalhado neste domingo (6)

Rússia vai armar Belarus com mísseis de capacidade nuclear para se opor a ‘Ocidente agressivo’
Informação foi divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores da Rússia após encontro entre Vladimir Putin e Alexander Lukashenko

Novo mercenário de Putin é morto em conflito na Ucrânia
Vladimir Andonov fazia parte do Grupo Wagner, uma organização acusada de cometer crimes de guerra e violar direitos humanos

Ex-presidente da Rússia avisa que ação da Otan na Crimeia pode levar à 3ª guerra mundial
Atualmente, Dmitry Medvedev é vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia

"Se Putin fosse uma mulher, o que ele obviamente não é, mas se fosse, acho que ele não teria embarcado em uma guerra maluca e machista de invasão e violência do jeito que ele fez", declarou. "Se você quer um exemplo perfeito de masculinidade tóxica, é o que ele está fazendo na Ucrânia”, completou.

Segundo Johnson, embora os líderes do G7 desejem "desesperadamente" o fim da guerra na Ucrânia, "não há acordo viável" no momento.

Para ele, a Otan deve apoiar a estratégia militar ucraniana para colocar o presidente Volodymr Zelensky "na melhor situação possível" nas negociações com a Rússia "quando houver finalmente negociações".

Mundo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MUNDO

MAIS LIDAS EM MUNDO