Remo é condenado em ação envolvendo contrato com a ex-fornecedora de material esportivo Topper

Empresa que intermediou o contrato com a Topper terá que receber mais de R$240 mil

Redação Integrada

Campeonato parado, sem receita de bilheteria e o clube teve que devolver o dinheiro da Copa do Brasil para a justiça trabalhista. Se não bastasse tudo isso, o clube foi surpreendido com uma condenação  no Tribunal de Justiça de São Paulo, em um processo envolvendo o clube, a fornecedora de material esportivo Topper e uma empresa que intermediou o contrato.

O Remo fechou contrato com a Topper no dia 01 de julho de 2016 e o encerramento no dia 31 de dezembro de 2019, porém, o clube assinou com uma empresa de nome O J Comunicação e Publicidade S/S Ltda, que intermediou a conversa e o fechamento de contrato com a Topper. Neste vínculo a empresa teria 10% de tudo que o Remo arrecadasse neste período oriundos das vendas dos materiais esportivos.

 

A decisão da justiça ocorreu no último dia 27 de março e o clube terá que pagar mais de R$240 mil à empresa, sendo R$80 mil por cada ano de vigência de contrato, mais 1% de juros monetariamente corrigido, sem contar os 10% do faturamento anual do clube referente à comercialização dos produtos da Topper.

Em 2016 o Remo tinha contrato com a fornecedora de material esportivo Umbro e foi assinado o contrato com a Topper na gestão do então presidente André Cavalcante. A reportagem de OLiberal entrou em contato com os advogados do clube e com o presidente Fábio Bentes e aguarda retorno.

Remo
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

MAIS LIDAS EM ESPORTES