Bicampeã olímpica diz que precisou tomar medidas extremas pra provar ser mulher

Caster Semenya é campeã olímpica dos 800m do atletismo e chegou a dizer 'se você quiser ver que eu sou uma mulher, eu vou te mostrar minha vagina'

Gabriel Mansur

Caster Semenya (31), duas vezes campeã olímpica dos 800m do atletismo, em entrevista para o programa HBO’s Real Sport, revelou ter tido que tomar medidas extremas no início de sua carreira onde seu sexo era questionado. A sul-africana chegou a dizer: “se você quiser ver que eu sou uma mulher, eu vou te mostrar minha vagina”. As informações são do portal Metrópoles. 

VEJA MAIS

 

image Estudante paraense conquista medalha de ouro em competição escolar mundial na França
Elias Oliveira é aluno da escola estadual Professora Izabel Amazonas e nasceu na cidade de Ulianópolis

image Medalhista em Tóquio, brasileiro Alison dos Santos assume liderança no ranking mundial
Velocista conquistou o ouro na etapa do Catar da Liga Diamante, principal circuito da Federação de Atletismo.

 

A bicampeã olímpica tem uma condição em que produz taxas de testosterona acima da média feminina, tendo que provar diversas vezes ser mulher. Semenya passou por testes de gênero durante a carreira toda, até ser diagnosticada com Hiperandrogenismo, condição em que a uma produção elevada de testosterona em um corpo feminino. 

A atleta chegou a tomar remédios para baixar os níveis de testosterona para poder participar das competições. Campeã em Londres 2012 e Rio 2016, Semanaya não pôde competir na Olimpíada de Tóquio por alterações nas regras da Worlds Athletics. Ela teria que tomar medicamentos que diminuiriam ainda mais seus níveis de testosterona. 

“Eles pensaram que eu tinha um pa*, provavelmente. Eu disse a eles: ‘Está tudo bem. Eu sou mulher, não me importo. Se você quiser ver que eu sou uma mulher, eu vou te mostrar minha vagina. Tudo bem?’”, explicou a corredora em entrevista.

Sobre os medicamentos, Semenya afirma que os efeitos colaterais a fazem ter ataques de pânico.

“Isso me deixou doente, me fez ganhar peso, ataques de pânico, não sei se algum dia teria um ataque cardíaco. É como se esfaquear com uma faca todos os dias. Mas eu não tive escolha. Tinha 18 anos, queria correr, queria chegar às Olimpíadas, essa era a única opção para mim”, contou a atleta.

(Estagiário Gabriel Mansur, sob supervisão do editor executivo de OLiberal.com, Carlos Fellip)

Olimpíadas
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS DE OLIMPÍADAS

MAIS LIDAS EM OLIMPÍADAS