Lateral do Goiás é acusado de adulterar documento, mas clube não teme punição

Goiás se isenta de culpa e não crê em reviravolta

Agência Estado

A Série B do Campeonato Brasileiro chegou ao fim há mais de uma semana, mas uma polêmica pode até provocar reviravoltas na classificação da divisão de acesso. A certidão de nascimento do lateral-esquerdo Ernandes teria sido adulterada, o que, supostamente, deixaria o jogador em condição irregular. Ele disputou 31 jogos pelo Goiás na segunda divisão nacional, fazendo parte do elenco que conseguiu o acesso à Série A, na qual o jogador atuou uma vez pelo Ceará. 

A notícia da irregularidade na documentação de Ernandes foi divulgada pela Rádio Central, de Campinas. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) ainda não recebeu nenhuma denúncia, mas o time correria o risco até mesmo de ser rebaixado para a Série C. 

De acordo com a denúncia, Ernandes nasceu em 11 de novembro de 1985 e tem sua certidão autenticada em São Félix do Araguaia-MT, mas nos últimos anos vem usando uma certidão com a data de nascimento de 11 de novembro de 1987. Essa data, inclusive, é a que está no Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). 

Se algum clube fizer a denúncia, jogador e Goiás podem ser julgados e até punidos pelo STJD com base no artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): "Incluir na equipe, ou fazer constar da súmula ou documento equivalente, atleta em situação irregular para participar de partida, prova ou equivalente". O clube, assim, poderia até perder todos os pontos conquistados nas partidas que Ernandes esteve em campo.

O Goiás conquistou o acesso à elite ao terminar na quarta colocação, com os mesmos 60 pontos da quinta colocada Ponte Preta, que ficaria com a vaga na Série A se a irregularidade for comprovada e o STJD punir o clube. Outro interessado é o Paysandu, primeiro clube a ser rebaixado. Isso porque o time goiano despencaria na tabela.

A polêmica pode atingir até mesmo o Brasileirão, já que Ernandes defendeu o Ceará em um jogo antes de se transferir para o Goiás, a derrota por 2 a 0 para o Ceará, pela primeira rodada. 

O Goiás, porém, garante não temer qualquer punição e se eximiu de culpa em nota divulgada pela sua assessoria de imprensa. "No Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ernandes Dias Luz nasceu no dia 11 de novembro de 1987, ou seja, como consta no documento apresentado pelo jogador no ato de contrato com o Goiás Esporte Clube. Se o atleta possui outra documentação, o fato não é de responsabilidade do clube que o contratou e sim de quem efetuou o registro do jogador como profissional de futebol. Em toda documentação de Ernandes apresentada ao Goiás, desde Carteira de Trabalho, de Reservista, Carteira de Motorista e de Identidade apresentam a data de nascimento com o ano de 1987. Fato este que não acarretará nenhum tipo de ação ou punição contra o Goiás Esporte Clube. O atleta está de férias e até o presente momento não foi localizado para prestar esclarecimentos sobre o fato apresentado", afirma o clube.  

A própria CBF também praticamente descartou uma ao Goiás. Ao UOL Esporte, diretor da entidade explicou. "É uma questão clara do regulamento geral de competições. A irregularidade no ato do registro não é uma irregularidade na condição de jogo. Ele tinha condição. Não é nem um caso de STJD. A CNRD [Câmara Nacional de Resolução que vai apreciar. Dois anos a mais ou a menos não tem impacto esportivo no Brasileirão. O registro está errado há 20 anos. Não vejo uma punição ao clube. O RGC [Regulamento Geral das Competições 2018] é claro quanto a isso", disse Reynaldo Buzzoni, diretor de registros da CBF.

Futebol