Bragantino cobra explicações de presidente da FPF após vídeo de diretora 'comemorando' no STJD

Tubarão lançou uma nota de repúdio sobre aquilo que chama de "imparcialidade" no imbróglio judicial que envolve Paragominas, Bragantino e Águia de Marabá

Luiz Guilherme Ramos

A contenda judicial em torno do Campeonato Paraense de Futebol deste ano parece ter engatado a quinta marcha. Meses depois da final, três clubes que figuraram na parte inferior da tabela lutam para resguardar suas permanências na elite. Nesta quinta-feira, o Bragantino foi a público exigir um posicionamento da FPF-PA, após a divulgação de um vídeo, onde uma diretora da entidade aparentemente "comemora" a decisão do STJD que obriga o TJD/PA a refazer o julgamento dos atletas Guga, do Águia de Marabá, e Hatos, do Bragantino. 

O motivo de discórdia na visão bragantina reside no fato de que o autor da ação é o Paragominas, rebaixado em campo, recorrendo primeiramente à justiça estadual. Com a derrota, o presidente Paulo Toscano manteve a postura e tentou recurso no STJD, onde conseguiu uma importante vitória, que pode alterar os rumos da classificação final do Parazão. 

"O presidente da FPF-PA nomeou a senhora Danielle Pina de Almeida como Diretora da Federação Ceju - Centro da Juventude, para tratar de assuntos referentes ao centro esportivo, com todos os clubes filiados à Federação Paraense de Futebol [...] o Bragantino entende que a Dra. Danielle deveria agir de forma imparcial. Ocorre que visualizamos um vídeo publicado pela diretora, onde a referida informa que foi ao Rio de Janeiro, defender interesses de um clube filiado à federação, não se mantendo imparcial, como diretora da FPF-PA", 

SAIBA MAIS

STJD anula decisões e TJD/PA terá que realizar novo julgamento de imbróglio do Parazão
Terceiro interessado no caso, Paragominas terá que ser notificado


Rebaixado no Parazão, Paragominas tenta reverter quadro no STJD nesta quinta-feira (20)
Jacaré tenta provar na esfera judicial que os jogadores Guga, do Águia de Marabá, e Hatos, do Bragantino, estavam irregular e assim reverter o rebaixamento


Paragominas será julgado no STJD e tenta voltar à elite estadual após batalha com Bragantino e Águia
Imbróglio que teve como estopim a suposta escalação irregular de Hatos e Guga, acabou por alterar o Parazão e o Paragominas tenta provar o erro na corte nacional

O comunicado traz ainda uma aspas, ao que tudo indica do presidente do clube, Cláudio Wagner, o "Cláudio da Van", criticando a imparcialidade da federação. "Quando visualizamos a diretora da FPF-PA defendendo outro clube, foi o mesmo que ver o presidente da federação defender um clube. Assim sendo, o Bragantino aguarda um posicionamento da FPF-PA", encerra. 

O alvo das críticas do clube é a diretora do Ceju, nomeada por Ricardo, conforme portaria publicada no dia 2 de agosto deste ano. No contexto do vídeo alvo da nota, Danielle aparentemente comemora o resultado em favor do Jacaré. "Tivemos uma vitória primordial para o Paragominas. Há uma esperança de sair novamente desse rebaixamento. Todos sabem que o Campeonato Paraense deste ano foi paralisado por escalação irregular de jogador", explica. 

"O Paragominas tinha um julgamento, mas ele foi retirado de pauta, conforme o TJD-PA pela perda do objeto, através do pedido de revisão protocolado pelos atletas. Hoje, esse pedido de revisão foi declarado nulo aqui no STJD, ou seja, esse processo vai retornar", informa a diretora. O Núcleo de Esportes de O Liberal entrou em contato com o presidente da FPF, Ricardo Gluck Paul, e aguarda um posicionamento. A nota de repúdio e o vídeo seguem na publicação do clube postada na internet. Veja:

O caso

Guga e Hatos foram punidos pelo TJD/PA após denúncia do próprio Paragominas, que alegou irregularidade na escalação de ambos no Parazão deste ano. Guga e Hatos jogavam juntos no Itupiranga, no campeonato do ano passado, quando foram punidos durante as quartas de final. O primeiro pegou dois jogos e cumpriu um, enquanto o segundo teve ampliada para cinco jogos e também cumpriu um.

Guga então assinou contrato com o Águia de Marabá e Hatos primeiro com o Cametá, para a disputa da Segundinha, e depois com o Bragantino. Os dois clubes foram denunciados e alegaram ter o respaldo da FPF. Com o caso na justiça, o Itupiranga foi acionado ante alegação de não ter comunicado os atletas sobre as punições impostas no TJD/PA, mas conseguiu reverter o quadro.

Assim, a justiça desportiva paraense anulou a punição imposta aos atletas e manteve o Paragominas como rebaixado da edição deste ano, até a chegada do caso no STJD, que determinou pela nulidade das provas apresentadas e a realização de um novo julgamento pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD/PA).

Futebol
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM FUTEBOL

MAIS LIDAS EM ESPORTES