Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Vendas no varejo recuam 5% no Pará; é a quarta queda consecutiva

No cenário nacional, a retração foi de 0,6%, com resultado negativo atingindo 22 das 27 Unidades da Federação

Redação Integrada

Em março, as vendas no varejo recuaram 5% no Pará, na comparação com o mês anterior, registrando a quarta queda consecutiva do comércio varejista paraense. No cenário nacional, a retração foi de 0,6%, com resultado negativo atingindo 22 das 27 Unidades da Federação. O pior índice foi do Ceará (-19,4%), seguido do Distrito Federal (18,1%) e Amapá (-10,1%). Já Amazonas (14,9%), Acre (11,2%) e Roraima (4,2%) obtiveram os melhores resultados. Os números fazem parte da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada na manhã desta sexta-feira, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

Para o IBGE, um dos motivos para o resultado no Pará, em comparação a fevereiro, foi o lockdown de duas semanas imposto pelo decreto do Governo do Estado. As medidas atingiram principalmente os municípios da Região Metropolitana de Belém (Belém, Ananindeua, Benevides, Marituba e Santa Bárbara do Pará), que foram impactados com as restrições de março e que são abrangidos pela pesquisa do Instituto. 

No caso do Pará, o levantamento mostra, ainda, queda de 6,7% no Volume de Vendas do Comércio Varejista Ampliado - que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção. O índice também foi pior do que a média nacional, onde o recuo foi de 5,3%.

“A atividade de material de construção teve um crescimento forte desde o início da pandemia, explicado tanto pelo auxílio emergencial, que possibilitou a aquisição por parte das famílias das camadas de mais baixa renda, como pela necessidade de construções e reformas emergenciais em casa. A partir de novembro, tivemos execução de obras maiores, como adaptação de edifícios em grandes cidades”, observou o gerente da PMC, Cristiano Santos. 

Em seguida, de acordo com o IBGE, houve desaceleração do setor. No mês de dezembro, o comércio varejista ampliado apresentou índice negativo (-5,2%), seguido até então de quedas sucessivas.

Positivo

Na comparação com março de 2020, a variação do volume de vendas do comércio varejista nacional foi 2,4%, em março deste ano, com predomínio de resultados positivos, que atingiram 19 das 27 Unidades da Federação. O Pará ficou com resultado muito acima da média nacional (9,3%). Quando se analisa o comércio varejista ampliado, o avanço foi de 10,1% em todo o País e 12,7% no Pará. Já no acumulado no ano a alta foi de 7,8%.

Ainda de acordo com o IBGE, na variação acumulada de 12 meses, o comércio varejista do Pará registra alta de 10,1%, motivada pelos meses de aquecimento do comércio (entre junho e agosto/2020), em que as vendas subiram exponencialmente em função da reabertura das lojas e do recebimento do auxílio emergencial. Já em dezembro as vendas caíram -6,6% , e desde então o volume de vendas segue decrescente no Estado.

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA