Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Taxa de ocupação cresce e desemprego recua no Pará; aponta PNAD

O Estado encerrou o segundo trimestre desse ano com quase 3,8 milhões de trabalhadores ocupados

Luciana Carvalho

Estudo do Dieese/ Pa baseados na PNAD Continua do IBGE, divulgados nesta sexta-feira (12), mostram que no 2º trimestre deste ano (abril a junho), o total de trabalhadores ocupados no mercado de trabalho no Pará apresentou crescimento de quase 12%, totalizando 3.749 milhões de pessoas, 400 mil a mais do que mesmo período do ano passado, que registou 3.349 milhões pessoas ocupadas.

Já em relação a trabalhadores desocupados, a análise do Dieese/Pa mostra que no comparativo entre o 2º trimestre deste ano em relação ao 2º trimestre do ano passado, houve redução de 28% de trabalhadores desocupados no Estado, ou seja, o quantitativo de trabalhadores nesta condição alcançou 377 mil de pessoas em 2022, cerca de 147 mil pessoas a menos que no mesmo período de 2021 quando o total era bem maior, alcançando cerca de 524 mil pessoas.

VEJA MAIS

Verão: Lojistas abrem vagas de emprego com otimismo do mercado no Pará
Férias e alta na intenção de compras das famílias animam o centro comercial de Belém

Pará criou mais de 6 mil empregos formais em maio, aponta Caged
O maior destaque foi construção civil, com 2.135 postos de trabalho criados

Pará é destaque da geração de emprego na Região Norte
Nos últimos 12 meses, estado já criou mais de 58 mil vagas

Em relação ao tipo de ocupação, o levantamento mostra que no 2º trimestre deste ano, dos 3.749 milhões de pessoas ocupadas no Pará, cerca de 2.123 milhões estavam empregadas (equivalente a 56,6% do total de trabalhadores ocupados em todo o Estado). Já os que trabalham por conta própria, 1.267 milhão de pessoas estavam nesta condição (cerca de 33,8% do total de pessoas ocupadas em todo o Estado); 204 mil estavam ocupados como trabalhador familiar auxiliar (5,4% do total de trabalhadores ocupados); e 155 mil na condição de empregador (4,1% do total de trabalhadores ocupados).

De acordo com o Departamento Intersindical, o Brasil encerrou o 2º trimestre deste ano com cerca de 10 milhões de desempregados, apresentando também redução em relação aos períodos anteriores e, mesmo com as recentes melhoras nos níveis de ocupação, os trabalhadores ainda sofrem com os efeitos da atual conjuntura, reflexos negativos da pandemia, além de enfrentar um período de inflação, juros altos e preços elevados.

(Luciana Carvalho, estagiária da Redação sob supervisão de Keila Ferreira, Coordenadora do Núcleo de Política).

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA