Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

STF reúne estados e União nesta terça-feira para discutir regras do ICMS sobre combustíveis

Comissão especial criada pelo Supremo tenta pacificar as leis recentemente aprovadas pelo Congresso, que também mexem com o ICMS sobre energia elétrica, comunicações e transporte coletivo

O Liberal

A comissão especial criada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na tentativa de pacificar a aplicação de leis recentes que alteraram a incidência do ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, comunicações e transporte coletivo, vai se reunir pela primeira vez, na tarde desta terça-feira (2). Existe a expectativa de que estados e União cheguem a um entendimento unificado sobre as novas regra do Imposto, aprovadas pelo Congresso e sancionadas pelo presidente Jair Bolsonaro. O encontro será de forma virtual e, além de representantes dos governos estaduais e federal, deve contar com a presença de representantes da Câmara, do Senado e do Tribunal de Contas da União (TCU). As informações são do G1 Nacional.

Pelas mudanças aprovadas recentemente, esses itens passaram a ser classificados como “bens de serviço essenciais”, e ficou determinado um teto de 17% a 18% na alíquota do ICMS para esses setores. No caso do Pará, por exemplo, houve a queda de 25% para 17% nas alíquotas do imposto nas operações com álcool carburante e energia elétrica; de 28% para 17% nas operações com gasolina; e de 30% para 17% nas prestações de serviço de comunicação.

Os estados pedem uma compensação pela perda de arrecadação decorrente da nova regra, mas o Ministério da Economia discorda do cálculo proposto pelos governadores.

VEJA MAIS

Projeto propõe mudanças na distribuição do ICMS aos municípios
Lei inclui critério educacional na regra de repasses

Combustíveis: redução do ICMS não altera o preço do diesel
O preço afeta serviços do dia a dia como o transporte público e impacta no cotidiano

Etanol também terá redução ICMS em São Paulo e valor do produto pode cair 17 centavos
Após redução do valor do ICSM na gasolina e no gás de cozinha, o governador de São Paulo anunciou a redução de 3,73% sobre o valor do etanol; impacto orçamentário pode ser de R$125 milhões

Saiba como denunciar posto de combustível que não divulga os valores cobrados por litro
O formulário foi divulgado pelo Ministério da Justiça e permite que o consumidor informe diversas informações sobre o posto de gasolina

Energia elétrica e combustíveis podem ficar mais baratos no Pará
Setores esperam queda após governo do Estado publicar decreto reduzindo alíquota do ICMS sobre produtos essenciais

Entre os representantes do governos estaduais que vão participar das discussões, está o titular da Secretaria da Fazenda do Pará (Sefa), Renê Sousa. Os municípios podem indicar dois representantes para a reunião desta terça. 

No ato que criou a comissão, o ministro Gilmar Mendes, do STF, explicou que o colegiado "servirá também para ouvir especialistas e experts em contas públicas e arrecadação de ICMS". O mecanismo, diz o texto, "gerará as condições para o estabelecimento de amplo debate entre os entes federativos e a sociedade civil".

Os governos estaduais serão representados por seis secretários de Fazenda – um de cada região do país, além do presidente do conselho nacional de gestores da área (Comsefaz). A lista enviada ao STF é composta por:

  • Décio Padilha (Pernambuco), presidente do Comsefaz;
  • Fábio Fernandes Pimenta (Mato Grosso);
  • Renê de Oliveira e Sousa Júnior (Pará);
  • Fernanda Mara Pacobahyba (Ceará);
  • Felipe Salto (São Paulo), e
  • Marco Aurelio Cardoso (Rio Grande do Sul).

Já o governo Jair Bolsonaro deve ser representado na reunião por integrantes do Ministério da Economia e da Advocacia-Geral da União (AGU).

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA