Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Setor produtivo paraense considera fundamental lei que altera Código Florestal

Texto altera as leis sobre regularização fundiária em terras da União e Áreas de Preservação Permanente (APPs) no entorno de cursos d'água em áreas urbanas

O Liberal

A Confederação Nacional da Indústria (CNI), as federações estaduais e o setor produtivo industrial tiveram papel importante na articulação pela aprovação da Lei 14.285, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro e publicada no Diário Oficial da União no dia 29 de dezembro de 2021, conforme Deryck Martins, presidente do Conselho Temático de Meio Ambiente (CTMA) da Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa).

O texto altera as leis 12.651/2012 (Código Florestal), 11.952/2009 (regularização fundiária em terras da União) e a lei 6.766/1979 (parcelamento do solo urbano) e dispõe sobre as Áreas de Preservação Permanente (APPs) no entorno de cursos d'água em áreas urbanas consolidadas. A lei é considerada pelo setor produtivo uma medida necessária à regulamentação dessas áreas para o desenvolvimento econômico e social das cidades.

De acordo com o texto, a partir de agora, municípios e distritos poderão definir faixas marginais (APPs) no perímetro urbano das cidades atentando para regras que estabeleçam a não ocupação de áreas com risco de desastres e observem as diretrizes do plano de recursos hídricos, do plano de bacia, do plano de drenagem ou do plano de saneamento básico, se houver. As atividades ou os empreendimentos a serem instalados nas áreas de preservação permanente urbanas também devem observar os casos de utilidade pública, de interesse social ou de baixo impacto ambiental.

Código Florestal

Deryck Martins explica que a nova Lei é considerada uma medida necessária à regulamentação dessas áreas e fundamental para o desenvolvimento econômico e social das cidades.

“Antes, as regras de uso das APPs urbanas eram definidas pelo Código Florestal de 2012 que valia para todo o território nacional, sem levar em consideração as realidades individuais de cada cidade e isso criava uma grande insegurança jurídica, colocando muitas construções e projetos em situação irregular. Agora, com a aprovação desse novo texto, o município vai poder estabelecer leis locais específicas, de forma transparente e respeitando os trâmites legais, de acordo com as necessidades e características de cada município. Isso vai trazer mais segurança para a indústria, melhorando também a mobilidade urbana nas cidades”, explica Martins.

Ainda segundo Martins, os principais setores favorecidos com a mudança serão o de turismo e construção civil. “Será possível, por exemplo, definir com mais segurança, em consonância com os conselhos de meio ambiente, áreas para a construção de hotéis, condomínios, estruturas turísticas e liberar obras que hoje estão embargadas não somente aqui no Pará, mas em todo o Brasil. É uma oportunidade de ordenamento territorial e de crescimento econômico porque o turismo e a construção civil movimentam uma cadeia produtiva muito grande e diversificada que gera emprego e renda, e isso representa um avanço muito importante para o desenvolvimento da economia local”.

Para o presidente do CTMA, a partir do novo texto, os municípios poderão investir em projetos de mobilidade urbana para as comunidades. “O poder público vai poder definir o melhor uso dessas áreas, juntamente com os seus conselhos de meio ambiente formados por representantes da sociedade civil, da indústria, do poder público, e por outros instrumentos que já existem como plano diretor, micro zoneamento etc., criando ruas ou outras plataformas que garantam o acesso das comunidades aos rios e mares, proporcionando novas opções de lazer e mais qualidade de vida para os moradores locais”, conclui.

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA