Salário mínimo de R$ 1.320 não deve entrar em vigor nos primeiros meses do ano; entenda

Enquanto a equipe de Haddad defende a manutenção do valor de R$ 1.302 por todo ano, a ala política propõe que o mínimo com aumento real comece a vigorar a partir de maio

O Liberal
fonte

O reajuste do salário mínimo de 2023 ainda não está completamente definido. Isso porque o valor de R$ 1.302 foi determinado via Medida Provisória (MP) editada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) ainda no ano passado, com reajuste previsto de 7,43%, mas o mínimo de R$ 1.320 foi prometido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para este ano, o que garantiria um aumento maior. Essa medida, no entanto, ainda não foi sancionada pelo petista, e o salário mínimo de R$ 1.320 não deve vigorar nos primeiros meses de 2023. As informações são do G1.

Segundo apuração do blog Valdo Cruz, o novo governo verificou que houve, no ano passado, uma concessão acima do previsto de aposentadorias, elevando os gastos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Então, se o novo mínimo entrasse em vigor desde janeiro, o órgão teria gasto extra de R$ 7,7 bilhões, que ficariam fora do teto dos gastos públicos.

Para bancar esse aumento desde janeiro, o Ministério da Fazenda teria de fazer um bloqueio de gastos para bancar essas despesas. A equipe do ministro Fernando Haddad, portanto, defende a manutenção do valor de R$ 1.302 ao longo de todo ano, enquanto a ala política propõe que o mínimo com aumento real comece a vigorar a partir de maio, mês do trabalhador.

Tudo isso, segundo o site, deve ser decidido na próxima quarta-feira (18), data em que Lula fará uma reunião com as centrais sindicais e anunciará a criação de um Grupo de Trabalho (GT) para definir a nova política de valorização do salário mínimo e também de regras para trabalhadores de aplicativos.

Economia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA