Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Maio terá energia elétrica mais cara

Desde janeiro, havia vigorado a bandeira amarela, cuja cobrança é menor

Redação Integrada

Desde sábado (1º), a cobrança do consumo de energia passou para o bandeiramento vermelho, patamar mais alto utilizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Com isso, a conta de luz dos consumidores ficará mais cara durante o mês de maio, com cobrança adicional de R$ 4,169 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. 

Desde janeiro, havia vigorado a bandeira amarela, cuja cobrança é de R$ 1,434 a cada 100 kWh. Em nota, a agência explicou que o mês de abril marcou o fim do período de transição entre as estações de chuva e seca nas principais bacias hidrográficas do sistema elétrico. O nível dos reservatórios é o pior já registrado, desde 1931.

"Em maio, inicia-se o período seco, com os principais reservatórios apresentando estoques reduzidos para essa época do ano", diz a nota. A agência explica que o cenário atual sinaliza piores condições para geração de energia hidrelétrica e a maior necessidade de acionar usinas térmicas, que geram energia mais cara.

Para a costureira e dona de casa, Marina Evangelista, a melhor forma de equilibrar as contas neste momento é economizando no consumo da energia. “No ateliê eu consigo ter mais controle, deixo as máquinas fora da tomada, tento usar o máximo de luz natural. Mas já dentro de casa é complicado, tem mais aparelhos eletrônicos, mais gente. O tempo todo alguém abre a porta da geladeira, deixa luz ligada sem necessidade. Por isso é preciso estar atento para no final do mês não se surpreender”, afirma. 

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA