Lockdowns na Europa devem durar até fim do 1º trimestre, diz presidente do BC

Lagarde defendeu que 2021 começa melhor, diante do processo de vacinação

Eduardo Gayer - AE

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, afirmou nesta quarta-feira (13) que a retomada de lockdowns no continente para conter o avanço da covid-19 devem durar até o fim do primeiro trimestre. Segundo ela, o cenário já estava previsto e, por isso, não altera as projeções econômicas da autoridade monetária. "Nossas projeções ainda são muito plausíveis", disse em evento virtual, quando questionada sobre a retomada de medidas restritivas rígidas em países como a Alemanha.

Lagarde defendeu que 2021 começa em uma perspectiva melhor em relação ao ano passado, diante do processo de vacinação contra o novo coronavírus no bloco. A União Europeia já faz uso dos profiláticos da Pfizer/BioNTech e da Moderna e deve autorizar, até o fim do mês, o uso emergencial das doses da AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford.

"Algumas incertezas de 2020 já foram resolvidas, como o Brexit e as eleições nos Estados Unidos", apontou a presidente do BCE. Para ela, mais do que a certificação do presidente americano eleito, Joe Biden, a definição do controle do Congresso - conquistada pelos democratas - foi um ponto fundamental para a definição das possibilidades econômicas do mundo nos próximos quatro anos.

Ainda assim, Lagarde reiterou que é preciso cautela neste momento de pandemia persistente e que muita incerteza continua no radar do BCE. "Temos grande preocupação com uma eventual ineficiência do programa de vacinação contra a covid-19", alertou, durante o evento.

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA