Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Greve freia vendas de Dia das Mães em Belém

Paralisação dos rodoviários na capital paraenses fez movimentação cair pela metade em lojas

O Liberal

A greve dos rodoviários iniciada às 00h desta terça-feira (3) fez o centro comercial de Belém amanhecer vazio em plena semana do Dia das Mães. Se por um lado a segunda-feira (2) foi agitada, Eliana Silva conta que no dia seguinte a movimentação caiu em torno de 50%. Ela trabalha em uma loja de roupas no centro comercial de Belém e conta que a movimentação até que está boa, tanto entre os clientes do atacado quanto do varejo, mas torce que a greve dos rodoviários encerre logo.

VEJA MAIS

Greve de ônibus: confira como foi o começo desta terça-feira após paralisação dos rodoviários Passageiros relatam dia de dificuldades para se deslocar pela falta de ônibus, sendo necessário recorrer ao transporte alternativo ou aplicativos com preços elevados

Ideias de presentes de até R$ 100 para o Dia das Mães O Dia das Mães está chegando e você ainda não escolheu o presente? Veja quais são os melhores itens de beleza, livros e decoração

Presente de Dia das Mães: confira 10 dicas de presentes criativos e diferentes Confira as dicas diferenciadas de presente para celebrar esse dia tão especial

"Muita gente está interessada nas novidades. O que sai muito é conjunto, de bermuda ou então de calça. E vestido também, por causa das senhoras. Tem muita procura por blusas plus size também. Geralmente levam o par certinho", afirma. Ela nota que apesar da inflação, muitos filhos fazem um esforço a mais para garantir presentes para a data. 

Eliana conta que está animada para ganhar presente dos filhos (Ivan Duarte / O Liberal)

Rauli da Silva trabalha há 20 anos na área e está com expectativa alta, prevendo um aumento de 70% nas vendas em relação a 2021. "Ontem foi um dia bom. Mas com essa greve aí... A gente espera que daqui até domingo melhore, pois temos muita mercadoria, com preço bom, muita promoção", afirma ele, ao lembrar que a partir de R$ 30 é possível levar calçados de marcas conhecidas de presente para as mães.

Já Patrícia Ribeiro é gerente de uma loja de variedades e descreveu como um "caos" o impacto da greve para os comerciantes da capital paraense. Segundo ela, a expectativa para o primeiro Dia das Mães livre da pandemia era muito alta.

"Dia das Mães aqui é um formigueiro. Era para estar pipocando aqui. Tivemos um final de semana bom e estávamos esperando um aumento. O que procuram muito é um café da manhã diferenciado, com vasos, arranjos, louças. Temos floristas também que fazem arranjos personalizados", conta. Na loja onde atua, o tíquete médio das compras de Dia das Mães, segundo ela, está em torno de R$ 200.

Equipe desfalcada

Além do movimento, as operações da loja também foram afetadas. Ela conta que três funcionários precisaram faltar e, por isso, ela tenta organizar um esquema para buscá-los e deixá-los em casa enquanto a greve durar.

VEJA MAIS SOBRE A GREVE DE ÔNIBUS 

Greve de Ônibus: 750 mil usuários estão sem transporte na Grande Belém O Setransbel, por nota, afirma que a greve dos rodoviários não cumpriu o prazo correto de notificação de 72 horas

Greve de ônibus: novo formato de veículos e salários são motivos da paralisação O vice-presidente do Sintrebel afirma que os empresários estão propondo mais ônibus sem cobradores, o que preocupa a categoria

Greve de ônibus: população reclama do preço da passagem do transporte alternativo Passageiros apontam que preços quase dobraram

"Tem colaborador que era para entrar 8h e conseguiu chegar só 10h. Estou fazendo uma rota de transporte por aplicativo para não prejudicar o trabalhador. E este ano é apenas uma semana de compra. Fomos surpreendidos. A gente não encontra um ônibus na rua. Temos que compreender", diz. 

Para Laura Aparecida, gerente de outra loja na mesma rua, nessas horas é importante dar suporte aos funcionários e contar com o apoio do resto da equipe para "segurar as pontas". Segundo ela, duas empregadas foram liberadas do expediente.

"A gente não estava ciente então é melhor assim. Quando for amanhã, vamos poder nos organizar melhor, elas vão conseguir vir porque já sabem da greve. É difícil, ruim para todo mundo. A loja está mais vazia hoje também, então estamos conseguindo levar", conta. 

Regina compra no atacado para vender no varejo (Ivan Duarte/O Liberal)

 

 

"Lembrancinha"

A paralisação do transporte público não impediu Regina Varela de sair de Benevides até o centro comercial da cidade. Ela se define como "sacoleira" e há 20 anos vende roupas batendo de porta em porta no município que fica na região metropolitana de Belém.

"Esse período é bom. Espero que seja maior que o ano passado. Não dá para comparar com o Natal, né? Mas deve dar uma levantada para eu atingir a minha meta. A gente tenta levar as coisas mais baratas, para tentar vender mais barato. A gente pesquisa, pesquisa, mas está tudo caro", lamenta.

Sônia Melo conta que estava de passagem pela rua João Alfredo quando resolveu parar para olhar as promoções. "Eu tenho mãe e avó, graças a Deus. A gente acaba gastando, né? Porque imagina não dar nada, Deus o livre. O importante é o gesto, não precisa gastar muito. Aqui é o lugar. Quem se mete em shopping paga mais caro", aconselha.

Economia
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA