Confira 6 dicas práticas de como dividir as contas no namoro e manter amor e finanças em sintonia

Confira dicas para equilibrar as despesas e o amor sem se perder com as contas do dia a dia

Maycon Marte
fonte

Manter as finanças em ordem é desafiador para qualquer pessoa, mas para casais, a tarefa exige um esforço conjunto ainda maior. Apesar da dificuldade, a união de duas pessoas inclui também a junção das duas rendas, em muitos casos, para a concretização de sonhos e objetivos em comum. Veja 6 dicas do economista Rafael Boulhosa para dividir as contas e começar a relação com o pé direito.

1. Levantar as despesas essenciais

O primeiro passo para uma gestão financeira a dois de sucesso é ter um panorama claro das despesas essenciais do casal. Liste todas as despesas fixas e variáveis, o que dará uma visão geral dos gastos mensais do casal, servindo como base para o próximo passo. Entre as despesas fixas mais comuns:

  • Moradia: aluguel, condomínio, IPTU, seguros;
  • Alimentação: supermercado, delivery, restaurantes;
  • Contas: luz, água, gás, internet, telefone;
  • Saúde: plano de saúde, medicamentos, consultas médicas;
  • Transporte: gasolina, transporte público, tarifas de estacionamento.

VEJA MAIS

image Conta conjunta ou conta separada: qual a melhor opção para os casais?
Economista dá dicas de como organizar as finanças e conversar sobre o orçamento com o parceiro

image Como casais podem equilibrar as finanças? Especialista dá dicas de como organizar as contas
Economista dá dicas de como não extrapolar o orçamento e adquirir dívidas com base na organização e na parceria

image Veja 5 formas de ganhar dinheiro rápido na internet
Nesta matéria vamos te dar 5 sugestões de caminhos que você pode seguir para adquirir aquela grana adicional.

2. Dividir as contas de forma justa

É essencial conversar sobre como dividir as contas do casal. Uma maneira bem comum é separar as despesas proporcionalmente à renda de cada um. Outra opção é dividir as contas em partes iguais, independente da renda. Nesse caso, o economista recomenda “estabelecer um acordo sobre quais outras despesas serão custeadas em igualdade”. Para Boulhosa, é importante tomar cuidado para que nenhum dos dois fique sobrecarregado, ou arque desproporcionalmente com despesas, a fim de evitar frustração.

3. Despesas Extras: negociar para evitar surpresas desagradáveis

Jantar fora, cinema, shows e viagens, são consideradas despesas extras, também chamadas de "desejos", que podem gerar conflitos se não forem previamente discutidas e acordadas. “Em caso de renda desigual, acordar quem cobrirá despesas que não sejam de primeira necessidade, como: jantar fora, cinema, shows, viagens”, explica.

Para evitar surpresas desagradáveis, vale conversar sobre como custear esses gastos extras. Uma opção é dividir tudo em partes iguais, mas há também a alternativa de criar um "fundo comum" para despesas extras, ao qual cada um contribui com um valor fixo mensal.

4. Independência Financeira: Construindo um Futuro a Dois

As finanças do casal também devem contemplar a necessidade de independência financeira individual. É importante que cada um tenha acesso a uma quantia mensal para suas necessidades pessoais, como roupas, hobbies e lazer individual.

Esse valor deve ser definido de acordo com a realidade de cada um, levando em consideração os gastos pessoais e a renda disponível. A independência financeira individual contribui para a autonomia e o bem-estar de cada membro do casal, fortalecendo a relação a longo prazo.

5. Poupança Conjunta: investindo no futuro a dois

A poupança conjunta é uma excelente maneira de realizar sonhos em comum, como comprar uma casa, um carro ou fazer uma viagem especial.

Para construir uma poupança conjunta de forma eficaz, é essencial definir um valor fixo que cada um poderá contribuir mensalmente. Essa contribuição pode ser proporcional à renda de cada um ou em valor igual, de acordo com o que for mais viável para o casal.

É importante escolher um investimento seguro e rentável para aplicar o dinheiro da poupança conjunta. Conversar com um profissional de finanças para obter orientação sobre as melhores opções de acordo com seus objetivos e perfil de investimento é um passo importante nessa fase.

6. Equilíbrio na contribuição: evitando ressentimento e desigualdades

Em um relacionamento com renda desigual, por exemplo, é fundamental que a pessoa com menor renda não se sinta explorada ou dependente da outra, assim como o contrário.

Para evitar ressentimentos, a divisão das contas e a contribuição para a poupança conjunta devem ser feitas de forma justa e transparente. É importante que ambos se sintam confortáveis em como as finanças do casal estão sendo gerenciadas. Uma comunicação aberta e honesta é essencial para evitar mal-entendidos.

“Antes de tudo e, principalmente, antes qualquer nova despesa expressiva, sempre conversar e fechar acordos, pois o acordado não sai caro e, no caso de relacionamentos, o caro pode ser o fim do relacionamento”, afirma Boulhosa.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Economia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA