#if(!$m.request.preview.inPreviewMode)
CONTINUE EM OLIBERAL.COM
X
#end

Alta no preço das frutas impacta venda de sucos na capital paraense

Vendedores de lanches e refeições em Belém dizem que preços devem melhorar no verão, daqui a dois meses

Gabriel da Mota

O último Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgado pelo IBGE, na semana passada, mostra que o preço das frutas aumentou 13,92% em Belém nos últimos 12 meses. Entre os destaques, estão o abacaxi (+42,89%), a laranja (+31,47%) e a goiaba (+19,68%) que, apenas no acumulado de janeiro a março deste ano, subiram: 8,22%, 18,16% e 12,51% – respectivamente. Vendedores de lanches e refeições que também servem sucos tiveram que diminuir sua margem de lucro para não subir preços e afastar clientes. 

Benedito Rodrigues, 73, é vendedor de lanches na Feira da 25, bairro do Marco, há 32 anos. Os sucos que ele mais vende nos primeiros meses do ano são de maracujá, goiaba e cupuaçu. “Praticamente todas as frutas subiram de preço, algumas até dobraram. Meu lucro, acho que diminuiu uns 30% desde o início do ano. Geralmente, nessa época, sempre aumenta o preço. O melhor período pra fruta é no verão, né?”, avalia. O comerciante diz que só prepara suco de abacaxi durante o verão, “porque sobe muito de preço [no inverno]”.  

image Aline dos Santos, 30, vende refeições e sucos na Feira da 25 (Foto: Thiago Gomes | O Liberal)

Em outro ponto da Feira da 25, Aline dos Santos, 30, vende refeições e também serve sucos como acompanhamento dos pratos aos seus clientes. Para não reajustar o preço da bebida, ela conta que está bancando do próprio bolso a alta na matéria-prima. “Estamos lucrando menos. Digamos que a gente vende três sucos para ganhar dois em uma garrafa, o que dá mais ou menos R$ 8”, explica a comerciante, que vende cada copo no valor de R$ 4. 

“A acerola disparou: chegou a R$ 7, mas agora está R$ 3,50”, acrescenta Lindalva Souza, 52, que trabalha na mesma venda de refeições. “Se a gente for aumentar [o preço do suco], vai ficar pesado para os nossos clientes também, né? A gente não vende, aí não é vantagem”, analisa Aline. 

Veja a variação mensal, acumulada em 2024 e acumulada nos últimos 12 meses em Belém

Frutas em geral: +2,15% | +12,87% | +13,92%

Abacaxi: +2,13% | +8,22% | +42,89%

Laranja pêra: +2,20% | +18,16% | +31,47%

Goiaba: +3,99% | +12,51% | +19,68%

Fonte: IPCA. As outras frutas citadas na reportagem não foram incluídas na pesquisa do IBGE.

Entre no nosso grupo de notícias no WhatsApp e Telegram 📱
Economia
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM ECONOMIA

MAIS LIDAS EM ECONOMIA