Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Saiba qual a origem da Marcha do Vestibular

Com a voz inconfundível de Pinduca, música foi composta pelo professor Aluap de Lacran no final da década de 1970

Ana Carolina Matos/Redação Integrada

É só começar a tocar os primeiros versos que um arrepio sobe à espinha. No primeiro "Alô, alô, alô, papai" o paraense já sabe que o dia é do calouro em uma das maiores festas de aprovação no vestibular realizada no Brasil. O inconfundível batuque da "Marcha do Vestibular" traz à tona o cheiro do ovo e do trigo e também a alegria de milhares de famílias. Hino do vestibulando paraense, a música é de autoria do professor Aluap de Lacran em parceria com Pinduca e está há algumas décadas no coração dos estudantes e famílias que sonham em ter a voz do "Rei do Carimbó" entoando uma das suas maiores vitórias.

Na década de 1970, em um ponto de encontro de músicos na capital paraense, no bairro da Cidade Velha, Pinduca conheceu o professor Lacran, que o apresentou algumas das suas músicas. "Ele me chamou em particular e disse que tinha umas músicas da cultura do carimbó. Aí eu pedi pra ele cantar umas pra mim lá no cantinho do Café Glória. Ele cantou uma meia dúzia, cantou essa Marcha do Vestibular e me interessei por ela", relembra. "Aí perguntei: professor, ele era professor, o senhor pode ir lá em casa comigo e gravar num gravadorzinho?", acrescenta ele, que não lembra ao certo o ano do encontro entre os dois.

Apesar de já estar pronta, a música passou por algumas modificações a pedido de Pinduca. "Tinha algumas palavras na Marcha que eu discordei com ele, e ele concordou comigo. Então falei pra ele trocar essa palavra aqui, essa ali...", conta. Por ter gravado a canção e participado na coautoria, o músico foi colocado como parceiro na produção pelo professor Delacran. "Ele virou pra mim e disse: se você gravar as minhas músicas, eu lhe dou a parceira de todas. Fica de nós dois", revela. 

A primeira apresentação da canção ocorreu na época do carnaval, no mês de fevereiro, no Círculo Militar, frequentado por diversos estudantes da época. "Lá pra duas da manhã, no baile de carnaval, anunciei que ia mostrar a música pra eles e se eles aprovassem, que viessem falar pra mim. Quando terminou, cobriram em cima de mim, foi aquele bocado de gente dizendo pra eu gravar a música", lembra. 

Para o músico paraense, o vestibular no Pará é um dos mais animados do Brasil.  "Aqui em Belém é onde se comemora o melhor vestibular. Já fui contratado em vários estados pra resultado de vestibular, já fiz até na Bolívia, mas não é como o nosso daqui", afirma. 

Como para a maioria dos paraenses, o momento também emociona o músico. "Fico emocionado de satisfação. Gosto muito. Acho legal porque são dias, momentos de muita alegria aqui dentro de Belém. É bonito. Quando tô disposto, costumo dar uma volta na cidade no meu carro pessoal pra ver os aprovados. Às vezes me veem e querem jogar ovo, às vezes me acertam. É como se eu passasse no vestibular", conta. 

Música
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM MÚSICA

MAIS LIDAS EM CULTURA