Morre atriz indígena que recusou Oscar em nome de Marlon Brando, em 1973

Sacheen Littlefeather estava com 75 anos. Há duas semanas, a Academia pediu desculpas públicas por ela ter sido vaiada na cerimônia

Cultura
fonte

A atriz e ativista indígena norte-americana Sacheen Littlefeather, que foi vaiada em 1973 ao recusar um Oscar por orientação de Marlon Brando, morreu no domingo (2) aos 75 anos. A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas informou o falecimento pelas redes sociais e recordou a frase dela: "quando eu me for, sempre lembrem que cada vez que você defende sua verdade, você manterá minha voz e as vozes de nossas nações e povos".

Quase 50 anos depois desse fato, há duas semanas, a Academia homenageou Littlefeather, em Los Angeles, e, na ocasião, pediu desculpas publicamente pelo tratamento que ela recebeu na cerimônia do Oscar.

Littlefeather era apache e yaqui. Na ocasião, ela representava Marlon Brando na primeira cerimônia do Oscar que foi transmitida ao vivo para o mundo. Brando havia sido premiado pelo clássico "O Poderoso Chefão", mas enviou a indígena em seu lugar para chamar a atenção ao "tratamento reservado aos nativos americanos pela indústria cinematográfica".

Ele pediu a ela que rejeitasse o prêmio em nome dele como sinal de protesto. Pois, Littlefeather, que passou a integrar o sindicato dos profissionais de cinema, teve dificuldade para encontrar trabalho em Hollywood porque os diretores de elenco foram pressionados a deixá-la de fora das produções.

VEJA MAIS 

image Cidade de Deus é o segundo filme de língua estrangeira mais visto no mundo
O primeiro lugar ficou para o francês Intocáveis, lançado em 2011, com nomes como Omar Sy e Françoís Cluzet; veja a lista

image Flamengo corre para ter Oscar, dono de um salário maior que a folha de 12 times da Série A; veja
Rubro-negro corre para fechar com o meia de 30 anos, o maior empecilho continua sendo o alto salário pedido pelo atleta

image Festival de Cinema de Veneza 2022

Durante a homenagem do último dia 17 de setembro, a atriz afirmou que naquela ocasião subiu no palco do Oscar "como uma mulher indígena orgulhosa, com dignidade, com coragem, com graça e com humildade". "Eu sabia que tinha que dizer a verdade. Algumas pessoas podiam aceitar. E outras não", recordou.

Ela também recordou que o astro John Wayne teve que ser contido para não agredi-la fisicamente quando deixava o palco.

 

Palavras-chave

Cinema
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM CINEMA

MAIS LIDAS EM CULTURA