Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Vítima de anestesista estuprador quer processar hospital por não interromper o abuso

O advogado de uma das mulheres estupradas pelo médico Giovanni Quintella Bezerra vê negligência na atuação da equipe

Maiza Santos

Uma das mulheres que está entre as possíveis vítimas de estupro do médico anestesista Giovanni Quintella Bezerra quer processar o hospital onde o crime aconteceu por não ter interrompido o abuso. A paciente foi a primeira a ser sedada pelo médico durante o parto na manhã do domingo (10) - dia do crime que teve repercussão nacional. Depois dela, o acusado participou de mais duas cesáreas, sendo a terceira filmada pelos profissionais.

VEJA MAIS

Médico anestesista preso por estupro já atuou como ginecologista, obstetra e mastologista
Giovanni Bezerra atuou em pelo menos 10 hospitais do Rio de Janeiro

Paciente vítima de anestesista estuprador tomou coquetel anti-HIV para evitar contaminação
Os médicos decidiram ministrar os remédios por precaução e a mãe precisou parar de amamentar o filho recém-nascido

Família desocupa apartamento de anestesista às pressas a pedido do proprietário após estupro
O proprietário do imóvel estava em choque com o caso que culminou na prisão do anestesista por estupro de uma mulher grávida

O advogado de uma paciente de 30 anos, que desconfia ter sido estuprada pelo anestesista, fala que a negligência aconteceu por não terem feito a denúncia antes de gravarem o vídeo, já que toda a equipe desconfiava do abuso sexual.

"Eu entendo a negligência do hospital, porque deixaram mais duas vítimas passarem pelo mesmo abuso só por causa de uma filmagem", disse o advogado Joabs Sobrinho. Ele fala que a equipe tinha a responsabilidade de ter chamado os superiores. “A própria voz da vítima já é válida em casos de estupro, imagina uma equipe médica dizendo que um outro médico está abusando de uma paciente", declara Joabs.

Polícia investiga se outras 20 mulheres foram vítimas de anestesista em outra maternidade
O anestesista já está sendo investigado por 6 casos

'Indignada, revoltada e chateada', diz delegada sobre o estado de vítima estuprada por anestesista
A mulher e o marido irão prestar depoimentos sobre o abuso sexual ocorrido durante cesariana no último domingo

Sedativo usado por anestesista que estuprou grávida pode causar alucinações e afetar bebês
A vítima estuprada por Giovanni no Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, Baixada Fluminense, foi sedada por completo

"Eles sabiam que tinha um abuso. É muito forte você querer gravar uma pessoa para pegar um ato libidinoso se você está realmente percebendo que tem um ato libidinoso", destacou o advogado.

Após a informação, a Secretaria de Estado de Saúde e a direção do Hospital da Mulher anunciaram, por meio de nota, que foram acionadas pela equipe médica e de enfermagem e logo procuraram a polícia.

"Tanto a denúncia como as imagens que comprovam o crime foram feitas por profissionais do próprio hospital, que suspeitaram da conduta do médico. Após a equipe ter verificado o conteúdo da filmagem, o anestesista não participou de nenhum outro procedimento", afirma o comunicado.

(Estagiária Maiza Santos, sob supervisão da editora web de OLiberal.com, Ana Carolina Matos)

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL