Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

PRF põe sigilo de 100 anos em processos de agentes que mataram Genivaldo em ‘câmara de gás’

Polícia Rodoviária Federal se recusa a informar, até mesmo, a quantidade de processos administrativos envolvendo os policiais

O Liberal

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) negou acesso aos processos envolvendo os agentes que participaram da abordagem a Genivaldo de Jesus Santos, de 38 anos, que foi morto em uma espécie de “câmara de gás” improvisada no porta-malas de uma viatura da corporação após ser parado porque estava sem capacete. Os pedidos de consulta aos processos foram feitos pelo Portal Metrópoles, com base na Lei de Acesso à informação. Porém, a PRF alegou se tratar de “informação pessoal”, o que, na prática, impõe sigilo de 100 anos sobre as informações.

VEJA MAIS

MPF decide manter soltos policiais envolvidos na morte de homem em ‘câmara de gás’
A decisão foi tomada após reunião entre o Ministério Público Federal e a OAB, na última quinta-feira (02/06)

Comissão aprova convocação do ministro da Justiça para esclarecer caso Genivaldo
Anderson Torres deve prestar esclarecimentos sobre a morte de Genivaldo de Jesus dos Santos, após abordagem violenta de agentes da PRF

Diretores da PRF dispensados após morte por ‘câmara de gás’ vão passar temporada nos EUA
A PRF informou que a dispensa dos dois não teve relação com o assassinato de Genivaldo

A morte de Genivaldo ocorreu no dia 25 de março deste ano, em Umbaúba, Sergipe. De acordo com o portal Metrópoles, foi solicitado à PRF informações sobre a quantidade, os números dos processos administrativos e acesso à íntegra dos autos já conclusos envolvendo os cinco agentes que assinaram o boletim de ocorrência policial sobre a abordagem, que são Clenilson José dos Santos, Paulo Rodolpho Lima Nascimento, Adeilton dos Santos Nunes, William de Barros Noia e Kleber Nascimento Freitas.

No entanto, a corporação se recusou a informar até mesmo a quantidade de processos administrativos envolvendo os policiais, contrariando entendimento da Controladoria-Geral da União (CGU), que já se manifestou a favor da divulgação do teor de procedimentos concluídos.

O Metrópoles recorreu da decisão, tendo como base o entendimento da CGE de que qualquer cidadão pode consultar os processos administrativos disciplinares, caso tenham sido concluídos.

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL