Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Filha demitida pelo pai após criticar Bolsonaro receberá R$ 20 mil de indenização

A decisão foi definida na última sexta-feira (5), pelo Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, após a filha entrar na Justiça contra o próprio pai

Paula Figueiredo

A tatuadora Brunna Letícia, de 29 anos, que entrou na Justiça após ser demitida pelo pai por criticar o presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais, terá o direito de receber uma indenização que totaliza R$ 20 mil. A decisão foi definida na última sexta-feira (5), pelo Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região.

VEJA MAIS

Bolsonaro sanciona LDO 2023 com vetos
A previsão do valor do salário mínimo para o próximo ano é de R$ 1.294, um aumento de R$ 82 em relação a 2022

Bolsonaro rebate crítica de DiCaprio sobre Amazônia: ‘querem mudar o mundo, mas nunca vocês mesmos’
O presidente respondeu às declarações do ator envolvendo o desmatamento: ‘dando mais atenção ao Brasil do que aos incêndios que prejudicam a Europa e seu próprio país’

Projeto que permite mulher fazer laqueadura sem aval do marido entra em votação hoje no Senado
A proposta também permite que homens realizem vasectomia sem a permissão de suas esposas

Tudo começou quando em setembro de 2021 a jovem usou suas redes sociais para manifestar sua indignação por apoiadores do presidente na comemoração do  Dia da Independência. "Sou completamente contra esse desgoverno e esse ser humano horrososo, corrupto, mal caráter, fascista, nazista, imbecil, incapaz e medíocre", comentou ela na época.

Na ocasião, seu pai, até então seu patrão, lhe enviou um áudio pelo WhatsApp. "Bom dia, Brunna. Antes de ter as suas exposições de ira e deboche em suas posições políticas, lembre em respeitar quem está do outro lado, não se esqueça que eu tenho posições antagônicas", disse ele. 

Segundo a jovem, os dois já teriam se desentendido por política anteriormente e em uma das ocasiões, o pai teria lhe agredido verbalmente. "Ele me chamou de esquerdopata e petralha. Desde então eu não tocava mais no assunto (....) Eu sempre tive que me silenciar, ele sabia das minhas opiniões políticas e eu sabia as dele, mas a gente não entrava nesse assunto”, ressaltou.

Decisão de entrar na Justiça

Brunna decidiu entrar na Justiça ao se sentir chantageada após o pai lhe "obrigar" a apagar uma das suas manifestações. "Ou você apaga agora, ou você sabe que posso te punir", teria dito o homem. A jovem foi desligada da empresa, onde seu pai era sócio, sem justa causa.

De acordo com a compreensão de Camila Afonso, juíza do TRT da 8ª Região, a conduta da organização viola a legislação por promover discriminação por opinião política. A empresa nega que a demissão tenha essa motivação, porém, em um dos áudios transcritos pelo Portal Metrópoles, o patrão diz. "Tô falando agora com a plena consciência do que estou fazendo, tá bom? Não estou com raiva eu estou irado, ta (sic) irado com suas posições, com as suas manifestações, já que as redes sociais é (sic) suas “cê” faça o que quiser, pois continue fazendo, só que agora quem manda na empresa quem é o dono desse negócio sou eu, tá certo? E não vou te aceitar mais, cabou (sic)". A organização ainda pode recorrer da decisão

(Estagiária Paula Figueiredo, sob supervisão de Luiz Cláudio Fernandes, editor web de O Liberal.com)

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL