Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

1º de Abril: veja as mentiras mais contadas no currículo ou entrevista de emprego e as consequências

Mentir na hora da seleção é considerada a falha mais grave por executivos brasileiros

O Liberal

Em todo o País, o Dia da Mentira, celebrado em 1º de abril, é encarado em tom de brincadeira. Mas no âmbito profissional, mentir é coisa séria e pode prejudicar o trabalhador. De acordo com uma pesquisa global da consultoria de recursos humanos Robert Half, realizada na segunda quinzena de fevereiro com 300 executivos brasileiros, entre gerentes gerais, diretores financeiros e de TI, mentir no currículo ou na entrevista é considerada a falha mais grave nas seleções de emprego. As informações são do G1 Nacional.

Esse erro, cometido por muitos candidatos que esperam alcançar a vaga, foi citado por 55% dos entrevistados na pesquisa. “Já vi profissionais de diferentes níveis hierárquicos perderem a vaga e a credibilidade por tentar iludir o recrutador. Isso acontece basicamente porque a descoberta de uma mentira coloca em xeque todas as demais verdades contadas, fazendo com que o entrevistador ou futuro empregador fique inseguro”, diz Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half para a América do Sul.

VEJA MAIS

1 de abril: Dia da mentira também marcou 6 fatos reais na história; relembre
O primeiro dia de abril não tem somente mentiras; confira algumas verdades que aconteceram nesta data

[[(standard.Article) Onde trair em Belém? Conheça os lugares mais famosos da cidade para esse fim]]

Paraense não mente, ele conta história: verdade ou mentira?
Entenda o aspecto psicológico da mentira e a origem deste dia dedicado a ela

As mentiras mais contadas envolvem o domínio do idioma e do Excel e o motivo de saída do emprego anterior. Também é comum o candidato tentar enganar o recrutador nas informações sobre formação universitária, inclusive com o uso do logotipo da instituição educacional no perfil online do candidato.

Em vez de informar o que "acha" que sabe fazer, o candidato deve priorizar as informações que realmente são relevantes, como o objetivo profissional, as reais certificações, as formações e os registros profissionais anteriores.

Fernando Mantovani orienta também a aproveitar as seleções para destacar os pontos fortes da trajetória profissional, mas sempre de maneira consciente e verdadeira.

Veja abaixo as mentiras mais comuns no ambiente corporativo e como evitá-las

  • Idioma: se a vaga pede fluência em um segundo idioma, essa habilidade será testada pelo recrutador em algum momento do processo seletivo.
  • Experiência: não supervalorize sua passagem por cargos ou empresas para se destacar entre os demais. Informe suas conquistas de forma sincera.
  • Formação: Caso tenha trancado matrícula ou possua matérias pendentes a concluir, diga que a formação está em andamento e compartilhe a previsão de conclusão.
  • Salário: algumas pessoas mentem sobre o valor do último salário na tentativa de conseguir maior remuneração no próximo emprego. A fraude, no entanto, pode ser facilmente descoberta, ao confrontar a informação com estudos de remuneração ou com o registro na carteira de trabalho.
  • Motivo do desligamento: seja honesto, mesmo se a demissão não tiver ocorrido de forma voluntária, e foque apenas em demonstrar as conquistas no emprego anterior, o que aprendeu e o quanto evoluiu com a experiência. Nunca fale mal da antiga empresa ou de colegas de equipe e antigos chefes.

Veja as falhas mais graves cometidas nas seleções: 

  • Mentir no currículo ou na entrevista: 23%
  • Atrasos exagerados: 15%
  • Falar mal do antigo empregador: 12%
  • Acompanhamento muito agressivo após a entrevista: 9%
  • Traje impróprio: 8%
  • Não desligar o celular: 8%
  • Não conhecer o seu currículo: 7%
  • Perguntar sobre vantagens na primeira entrevista: 4%
  • Esquecer de fazer o acompanhamento pós entrevista: 3%
  • Não ter feito pesquisas sobre a empresa/indústria: 3%
  • Falar exageradamente: 3%
  • Falar muito pouco: 3%
  • Não fazer perguntas ao recrutador: 2%

Fonte: Robert Half

Brasil
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BRASIL

MAIS LIDAS EM BRASIL