Pacientes reclamam de demora para receber medicamentos

Uma delas teve de ir três vezes este mês a uma unidade

Redação Integrada

Pacientes que precisam de medicamentos controlados para doenças graves por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), em Belém, denunciam a demora para receber os remédios. É o caso da URE Doca, na qual a paciente Terumi Sato, 35 anos, estudante de Direito, teve de comparecer na unidade por três vezes, somente neste mês de março, para conseguir um medicamento que custa R$ 4 mil cada ampola injetável.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) informou: "A compra e distribuição do medicamento Golimumabe é do Ministério da Saúde, que tem realizado as entregas de forma fracionada e com atraso. A previsão fornecida pelo Ministério foi de que a situação deverá ser regularizada até o final deste mês".

A boa notícia veio ainda nesta sexta-feira (15) para Terumi: ela soube que esse medicamento chegou à URE Doca. "O nosso desafio como paciente é a demora para ter acesso ao medicamento e também o atendimento em alguns casos na unidade", afirmou.

Terumi Sato, 35 anos, depende dos medicamentos para tratamento (Arquivo Pessoal)

Busca

Moradora do bairro do Coqueiro, em Ananindeua, Terumi Sato informou que há um ano e meio foi diagnosticada com artrite reumatóide (doença que atinge as articulações e órgãos do corpo). Desde então, passou a fazer tratamento, mediante medicamentos acessados na URE Doca, administrada pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

A paciente conta que nem sempre os medicamentos estão disponíveis para as pessoas que dele necessitam. A partir da solicitação do medicamento, como relatou Terumi, os remédios ficam liberados por três meses, mas só pode retirá-los a cada mês. "Se faltar no meio desse período, tem que fazer nova solicitação, o que inclui uma bateria de exames", disse.

Em um ano e meio de tratamento, o uso de medicamento amenizou as dores, mas não fez estacionar a doença, que era o principal objetivo do tratamento. Por isso, no começo de março, foram prescritos novos medicamentos à paciente.

Um é o Leflunomida, comprimidos diários, que custa R$ 300, que elá começou a tomar no dia 8; e o Golimumabe, injetável, que custa R$ 4 mil uma ampola, totalizando R$ 12 mil em três meses. 

Belém