Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Égua agoniza ao lado de filhote amarrado; eles estão abandonados na rua em Ananindeua

Animal está bastante machucado e aparenta grande sofrimento. Transeuntes do bairro da Guanabara se mobilizaram para ajudar

Dilson Pimentel e Fábio Costa

Uma égua e o filhote foram abandonados na rua Santa Maria, no bairro Guanabara, em Ananindeua. Bastante ferido, o animal não consegue se levantar. Para tentar ajudar a égua, a assistente administrativo Aniele Pontes, 36 anos, e outros moradores estão mobilizando a imprensa e pedem ajuda de autoridades. Veja:

Para não fugir, o filhote acabou amarrado. “A mãe está bastante ferida. Está aqui desde ontem (segunda-feira)”, disse Aniele, na manhã desta terça-feira (29).

Ela já compartilhou a imagem do animal nas redes sociais, mas, até agora, ninguém deu retorno sobre a égua. Ninguém sabe quem abandonou o animal naquele local.

Égua está grávida e muito ferida


A moradora Rosa Pontes, 63 anos, contou que, na manhã de segunda-feira (28), esses animais estavam na entrada da rua. “Ontem, ela tava andando. Como foi se agravando a situação dela, ela não deu mais conta de andar. Ela veio e entrou aqui (um terreno). E o dono do terreno começou a dar comida, água. E viemos pra cá, para tentar ajudar ele. A gente não sabe quem é o dono, de onde eles são”, afirmou. 

Técnica em enfermagem, Rosa acrescentou: “Ela tá grávida. Muita ferida. Tem muitos ferimentos. A gente quer chegar até os órgãos competentes para ajudar esses animais. Isso é um absurdo. Você está vendo a situação da égua”. 

“Ontem, ela tava andando. Como foi se agravando a situação dela, ela não deu mais conta de andar. Ela veio e entrou aqui no terreno. E o dono começou a dar comida, água. E viemos pra cá, para tentar ajudar. Ela está grávida e tem muitos ferimentos. A gente quer chegar até os órgãos competentes para ajudar esses animais. Isso é um absurdo. Veja essa situação. Queremos ajuda de um órgão competente para tirar ela daqui  e tratar. É muito triste", diz a técnica em enfermagem Rosa Pontes

"Queremos uma ajuda, que viesse um órgão competente para tirar ela daqui  e tratar. É muito triste. Nós, da comunidade, não podemos fazer nada. Não sabemos qual é o remédio. Ela precisa de veterinário. A gente não sabe como agir. A única coisa que  gente pode fazer é dar comida e água e ver a situação dela se agravando a cada hora que passa”, alerta Rosa.

Moradores pedem ajuda para atendimento do animal (Fábio Costa / O Liberal)

Polícia diz que já procura o dono


A redação integrada de O Liberal acionou o poder público e a polícia para repercutir os maus tratos e saber que providências serão tomadas nesse caso. 

Em nota, a Divisão Especializada em Meio Ambiente e Proteção Animal (Demapa), da Polícia Civil, disse que foi acionada via disque denúncia e está apurando o caso, através de ordem de serviço, para identificar e localizar o dono do animal abandonado.

A Polícia Civil disse que "a destinação do animal não é de responsabilidade da Demapa no momento". Porém, a divisão confirmou que já entrou em contato com os órgãos de resgate para auxiliar no caso.

Abandono de animais é comum na Grande Belém


Coordenador do Projeto Carroceiro da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), o professor Djacy Ribeiro comentou o abandono da égua no bairro da Guanabara. “Esse fato não é incomum na região da Grande Belém. A gente já tinha uma lei anterior, a 8.168, de 2002, de cuja criação eu participei, que regulamenta o serviço de tração animal. Essa lei permitia que os condutores, os carroceiros mantivessem o serviço”, disse.

A lei 8.168, de 4 de outubro de 2002, institui a habilitação, o licenciamento, o plaqueamento dos veículos de tração animal e disciplina a circulação deles no Município de Belém, e dá outras providências.

O professor Djacy Ribeiro disse que o serviço da tração animal em região metropolitana tem uma importância socioeconômica. “Ele faz o transporte principalmente de materiais de construção e entulhos da região periférica dos centros urbanos, onde veículos automotores não conseguem entrar. Essa região periférica está sendo desbravada, não tem rodovias ainda”, explicou.

Mas a lei nunca foi executada e “a população não tem freio, não tem limites. À época, cabia à Ctbel (hoje Semob) cuidar da padronização da carroça, do tráfego dessas carroças, dar autorização de condução para o condutor. Carroças padronizadas, plaqueadas. Isso tudo está previsto em lei”, afirmou o professor, que há mais de 20 anos trabalha no combate ao uso da tração animal.

“A gente trabalhou na execução da lei, mas ela nunca foi posta nas ruas. E as carroças, em vez de ficarem nas periferias, começaram a transitar nas avenidas Almirante Barroso, João Paulo II e Nazaré. E Ananindeua não é diferente de Belém”, contou.

Alguns animais trabalham mais de 18 horas por dia


O professor Djacy Ribeiro acrescentou que os animais estão morrendo nas ruas de Belém porque é “cômodo” para os carroceiros ter animal hoje. “Compra ele barato, maltrata, usa até quando não pode mais, até à exaustão, ou até haver um acidente, e depois ele abandona. E de quem é esse cavalo e essa égua? O carroceiro vai dizer que não é dele. Afinal, o animal não é microchipado, não tem identificação. Ele não tem limite, faz o que ele quer”.

O projeto disse que a violência física é vista por todos. “E os maus-tratos psicológicos. O cavalo, que mesmo em condições de saúde, está debaixo da carroça, apanhando, debaixo de sol e chuva. Alguns animais trabalham mais de 18 horas por dia, sem alimentação, descanso, água adequada. Todos eles sofrem maus-tratos”.

O professor Djacy Ribeiro diz que os animais estão morrendo nas ruas de Belém porque é “cômodo” para os carroceiros ter animais hoje. “Compra ele barato, maltrata, usa até quando não pode mais, até à exaustão, ou até haver um acidente, e depois ele abandona. E de quem é esse cavalo e essa égua? O carroceiro vai dizer que não é dele. Afinal, o animal não é microchipado, não tem identificação. Ele não tem limite, faz o que ele quer”

O coordenador explicou que o Projeto Carroceiro não pode receber esse animal na rua. “O projeto é o único ponto de referência, o único local que pode receber esses animais e que recebe. Só que agora não vou poder receber. Não temos ração. Não temos comida para dar. Não vou pegar um animal que está sofrendo na rua e levar para ele sofrer dentro da Universidade”, afirmou.

O Projeto Carroceiro vive de emendas parlamentares, de editais nacionais, e de apoio da própria Ufra, na aquisição de alimentação e medicamentos.

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM