Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Dia do Urbanismo: desafio de Belém é se tornar inclusiva e sustentável

A pandemia expôs diversos problemas de estruturas nas grandes cidades e ressaltou a importância do urbanista para o planejamento urbano e bem-estar social

O Liberal

A história do mundo pode ser contada através do urbanismo. A criação de cidades, a revolução industrial e surtos de doenças que já ocorreram foram primordiais para o progresso das redes urbanas e planejamento de cidades. Neste dia 8 de novembro, é celebrado o Dia do Urbanismo. Profissionais dessa área atuam diretamente no desenvolvimento de um ambiente que atenda às necessidades de todos que usufruem de uma localidade, com saneamento básico e recursos para melhor aproveitar o espaço. E atender todos esses interesses é um principal desafio das cidades, que inclui gestores e a população. A pandemia de covid-19 trouxe à tona problemas relacionados à desigualdade social.

"Nesta pandemia, uma das questões mais latentes foi a informalidade da ocupação urbana atual e a ausência de infraestrutura nas cidades, que pudesse suprir as necessidades mínimas das pessoas. Garantias como água potável, para ingestão e higienização das mão e corpo; esgotamento sanitário adequado; acesso facilitado às residências; afastamento e distanciamento social mostraram ser precários. Em todos esses fatores, ficou clara a necessidade de um bom planejamento ou replanejamento urbano local", afirma a arquiteta e urbanista, Anna-Beatriz Aflalo, integrante do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Pará (CAU-PA) e coordenadora do curso de Arquitetura da Universidade da Amazônia (Unama).

Para Anna-Beatriz, o urbanismo está diretamente relacionado ao bem-estar físico e psicológico das populações urbanas. Espaços democráticos, com qualidade na segurança, bem iluminados e que respeitem os aspectos culturais da população, afetam diretamente no contexto de uma comunidade e qualidade de vida dos cidadãos. A urbanista acrescenta que sentir pertencimento pelo espaço que se usa é primordial para gerar identificação e vínculos, até afetivos, com o local que habitam, recreiam, trabalham e vivem.

Uma das grandes preocupações é como os modelos de cidades atuais podem fornecer soluções para as demandas durante e depois da pandemia. Cada cidade tem um contexto peculiar e nem todas as soluções vistas nas mídias são exemplos para serem implementados na cidade, destaca a professora. 

"Nem sempre esses exemplos devem ser totalmente considerados como ideais ou adequados à nossa realidade. Temos aqui condições específicas de clima, transporte, topografia, ocupação de território e cultura que não se manifestam em outros locais. E digo mais: muitas vezes, a nossa cidade não tem infraestrutura suficiente para receber muitas das soluções que nos brilham os olhos fora daqui. Temos que dar passos que caibam na nossa realidade, com o que temos, e teremos qualidade espacial e urbana. Precisamos ouvir os profissionais locais, aprender com experiências na nossa região", acrescenta Anna-Beatriz.

Com o avanço na cobertura vacinal e uma pandemia que já começa a ser controlada no estado, fica de lição para os gestores capacitados e interessados em mudar o ambiente urbano, vastos exemplos de nossas fragilidades para mudar ou aperfeiçoar tais modelos. Atualmente, para a professora Anna-Beatriz, a capital enfrenta diversos problemas que podem ser solucionados com união de gestores e da população na construção de uma cidade melhor.

"Somos uma cidade acolhedora, amazônida, com muita cultura e regionalismo latente. Além disso, temos profissionais capacitados e o necessário para evoluirmos enquanto ambiente urbano. Questões como a falta de acessibilidade, precário esgotamento sanitário, alagamentos, ocupações irregulares, aglomerados subnormais e calçadas ruins, somos a pior capital brasileira quando se trata de calçadas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), são assuntos urgentes para serem resolvidos", pontua.

(Alynne Cid / O Liberal)

(Karoline Caldeira, estagiária sob a supervisão de Victor Furtado, coordenador do Núcleo de Atualidades)

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM