Conectados pelas redes, unidos pelo amor

Casais que a internet ajudou a aproximar contam como a tecnologia foi determinante para o relacionamento

João Paulo Jussara

Os relacionamentos amorosos passaram por muitas transformações com o desenvolvimento da sociedade. Para a geração que está na casa dos 20 ou 30 anos, é difícil imaginar como as pessoas faziam para namorar 40 ou 50 anos atrás, sem os sites de relacionamento, redes sociais e as facilidades tecnológicas que modernizaram a comunicação. A internet rompeu fronteiras geográficas e modificou a forma de amar.

A nutricionista Raquel Freitas, 27, é usuária ativa das redes sociais. No Instagram, seu perfil já possui mais de 30 mil seguidores. Ela costuma interagir com o público dando dicas de moda, falando sobre roupas, maquiagem, além de compartilhar momentos do dia a dia e dos lugares que frequenta. Já o namorado, o engenheiro civil Eduardo Marques, 33, é uma pessoa mais reservada e tímida. "Nossos jeitos se completam. A calma dele não existe em mim, e o meu jeito elétrico não existe nele", conta.

Como muitos jovens casais do século 21, os dois mantêm uma relação leve e divertida. Gostam de ir a festas, frequentar o cinema e jantar em restaurantes, mas principalmente ficar juntos em casa, assistindo séries e filmes pela internet. Eduardo, cinéfilo, despertou o interesse em Raquel, e os dois adotaram o hábito de assistir filmes e criar juntos os próprios roteiros. O gosto por filmes inspirou até o nome dos dois gatinhos do casal: Harry Potter e Rony Weasley.

Por conta da rotina de trabalho corrida, durante a semana Raquel e Eduardo passam a maior parte do dia distantes, e só se encontram à noite. Para matar a saudade, os dois usam aplicativo de troca de mensagens para conversar, e também costumam usar as redes sociais para se marcarem em posts engraçados. "Nos comunicamos 80% via WhatsApp e também ligações. Os outros 20% é por Instagram. É uma forma que achamos de lembrar um do outro naquele momento em que se está online", explica Eduardo.

A facilidade de comunicação ajudou a romper as barreiras da distância entre Raquel e Eduardo (Akira Onuma / O Liberal)

 

 

 

A facilidade de comunicação ajudou a romper as barreiras da distância entre o casal. A rotina, os hábitos, a forma de curtir o tempo livre juntos, tudo isso passou por mudanças ao longo do tempo, mas preservando a essência do que é amar e viver com outra pessoa, sempre tendo como base o respeito e a confiança. "Cada momento em nossa vida é especial e nos completamos em cada detalhe. Acredito que na vida existem pessoas que nasceram para nos encontrar, ele é essa pessoa para mim", finaliza Raquel.

A maneira de amar em tempos modernos está aberta a possibilidades de interação nunca antes experimentadas. As redes sociais ou mesmo aplicativos específicos voltados a relacionamentos, por exemplo, revolucionaram a forma como duas pessoas podem se conhecer. Para o casal Thalía Araújo, 21, e Allan Prado, 27, a internet foi o fator decisivo para unir as suas histórias.

Ela, estudante de jornalismo, passava por problemas pessoais e de saúde, e costumava publicar em seu perfil pessoal alguns desabafos. Ele, recepcionista, dividia o tempo entre o trabalho e as redes sociais. A partir de amigos em comum, os dois passaram a se seguir no Instagram, e a interagir um com o outro. "Se eu postava alguma coisa, ele sempre respondia, puxando assunto. Às vezes eu postava que estava mal, cansada psicologicamente, e ele mandava mensagens positivas, me animando", lembra a estudante. 

Depois das primeiras conversas, eles foram se conhecendo melhor, trocando mais mensagens. Os desabafos encontraram consolo, e a partir disso nasceu uma grande amizade. Por meses, a relação do casal se deu apenas de maneira virtual, até que um dia eles marcaram o primeiro encontro, em um bloco de carnaval. Thalía e Allan, que nunca haviam se encontrado antes, se olhavam, então, pela primeira vez. 

Mas aquele não foi um olhar de desconhecimento. Mesmo sem nunca terem se encontrado antes, os dois já se conheciam bem, já sabiam sobre cada detalhe da vida do outro, e perceberam, então, que aquele amor havia nascido antes mesmo dos corpos se encontrarem. "A partir daí, ele olhou nos meus olhos e falou que desde o momento em que ele me viu pela primeira vez, já sabia que eu era a mulher da vida dele, e que ele ia lutar para ficar comigo", recorda Thalía. 

Juntos há pouco mais de quatro meses, o casal já oficializou o noivado, e planeja o casamento para o ano que vem. "Se não fossem as redes sociais, eu não teria conhecido ela. Se não existisse isso, a gente talvez nunca fosse nem se esbarrar na rua. As coisas melhoraram muito na minha vida ao lado dela. Tudo ficou muito mais fácil. Os problemas, compartilhados, passaram a ser menos pesados. Ela é o amor da minha vida", conclui Allan.

Belém