Chuvas diárias aquecem vendas de sombrinhas no centro comercial de Belém

“Choveu, vendeu”, disse um vendedor; preços desses acessórios aumentaram durante a pandemia

Dilson Pimentel

A temporada de chuvas diárias, neste começo de novembro, está aquecendo a venda de guarda-chuvas e de sombrinhas no centro comercial de Belém. “Choveu, vendeu”, disse o vendedor Aldo Corrêa Mendes, 45 anos.

VEJA MAIS

Tempo chuvoso ainda não caracteriza inverno amazônico, diz meteorologia
Fenômeno climático causa chuvas em Belém e no nordeste paraense. Em dois dias choveu cerca de 70% do volume de chuva esperado para todo o mês de novembro

Chuva no centro de Belém tem canais transbordados e alagamento em ruas; vídeo
Belém é um dos muitos municípios do Pará que está sob alerta meteorológico amarelo para chuvas fortes e ventanias que podem ocorrer até amanhã

Sombrinha: acessório é aliado dos paraenses o ano todo; saiba qual melhor modelo para o verão
Vendedores dizem que a procura pelo item é constante, mas ainda assim o lucro tem caído

Ele vende esses produtos na calçada em frente à agência do Banco do Brasil, na avenida Presidente Vargas, esquina com a rua Santo Antônio, no bairro da Campina. Mas, assim como outros vendedores, reconhece que as vendas não são melhores porque aumentou o preço desses acessórios. Aldo trabalha naquele ponto há cinco anos, mas tem 30 de centro comercial.

“Quando começa a chover é que o pessoal começa a comprar”, afirmou. Dependendo do modelo, o guarda-chuva custa R$ 20. E a sombrinha, R$ 30. O vendedor disse que os preços aumentaram por causa da pandemia. “Talvez tenha sido a pandemia, porque esses produtos são importados, né?'', comentou.

"Lá vem ela, papai", diz vendedor ao oferecer sombrinhas

Para atrair a clientela que, apressada, passa por aquela área, Aldo faz seu “comercial”: “Olha o sombrinhão. Vai chover. Lá vem ela, papai. Tem de R$ 20, tem de R$ 30”. Ele afirmou que, quando começa a chover, “sai correndo nas portas dos bancos ou fica rodeando o comércio todinho” para vender para os clientes que são surpreendidos com a chuva.

Melhorou depois que começou a chover. Estava fraco”, completou Aldo, que fica naquele ponto de 8 às 18 horas. As mulheres são as principais compradoras e levam para casa sombrinhas. Quando está bom o movimento, ele vende de 30 a 40 sombrinhas por dia.

A temporada de chuvas diárias está aquecendo a venda de sombrinhas e de guarda-chuvas no centro comercial de Belém (Ivan Duarte/O Liberal)

"De sexta-feira pra cá melhorou por causa das chuvas", diz outra vendedora

Cristiane Lima Melo, 43 anos, vende os mesmos produtos na calçada da rua Santo Antônio, próximo à avenida Presidente Vargas. “De sexta-feira para cá melhorou por causa das chuvas”, disse ela, na manhã nublada desta segunda-feira (7).

“Sábado a gente vendeu muito”, contou, faturando em torno de R$ 2 mil. A clientela é formada basicamente por mulheres. Mas Cristiane também disse que os preços subiram. “Olha, aumentou muito a sombrinha (que é a mais vendida). Aumentou demais. A que a gente vendia de R$ 10 agora é R$ 20. A de R$ 25 passou para R$ 30, R$ 35”, contou. O guarda-chuva passou de R$ 15 para R$ 25.

Ela acrescentou: "Para eu não 'perder', o que é de R$ 30 a gente bota R$ 28. Dá uma quebradinha e vai ganhando a clientela”, contou, acrescentando que, naquele ponto, trabalha há cerca de 30 anos. Ela trabalha das 8h30 até por volta de 19 horas.

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM