Acessar
Alterar Senha
Cadastro Novo

Agentes de saúde instalam armadilhas contra mosquito da dengue

774 casas receberam os dispositivos da prefeitura

Redação Integrada

Agentes de endemia da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) retornaram, nesta terça-feira, 20 de abril, às residências nas quais foram instaladas armadilhas para capturar o mosquito transmissor da dengue, em Belém.

Os dispositivos, chamados de ovitrampas, foram colocados em pontos estratégicos de 774 casas da capital paraense. Nesse retorno, os agentes retiraram as armadilhas e coletaram a palheta de eucatex onde as fêmeas do Aedes Aegypti depositaram os ovos. 

O material coletado será analisado pelo Laboratório de Entomologia. De acordo com o resultado da análise, serão traçadas estratégias para o combate à dengue no município. Nessa análise será possivel saber quantos ovos há nas ovitrampas e como está a infestação da área onde elas foram coletadas. Assim serão criadas ações para evitar a proliferação do mosquito.

"No laboratório, eles vão verificar o índice de positividade, ou seja, quantos ovos deram positivo para o Aedes Aegypti, e o índice de densidade populacional, que vai apontar quantos mosquitos estão nas casas", conta o coordenador do Programa de Controle da Dengue da Sesma, Tadeu Morais.

As armadilhas foram instaladas no último dia 14 de abril e ficaram durante uma semana nas residências. "Em um recipiente preto são colocadas água e levedura de cerveja, para atrair o mosquito fêmea que coloca de 50 a 100 ovos por dia. Durante uma semana, nós monitoramos as armadilhas", detalha Tadeu Morais. As ovitrampas simulam o ambiente perfeito para a procriação do Aedes Aegypti. 

A dengue é uma velha conhecida de todos os brasileiros. Durante a época chuvosa, há um aumento dos casos da doença. De acordo com a Sesma, de janeiro até 14 de abril já foram registrados 154 casos de dengue no município de Belém. No mesmo período do ano passado, o registro foi de 133 casos. Houve um crescimento de 16,66% em relação a 2020.

O Aedes Aegypti também é transmissor da zika e da chikungunya. Dados da Sesma mostram que, de janeiro até agora, foram registradas duas ocorrências de chikungunya em Belém.

Na mesma época de 2020 foram 16 casos, o que corresponde a uma redução de 12,5% . Em relação à zika, há dois anos nenhum caso é confirmado no município.

A transmissão dessas doenças ocorre por meio da picada da fêmea do Aedes Aegypti. Por isso, para combatê-las é preciso eliminar os mosquitos. 

A dona de casa Lucilene Miranda mora no bairro do Guamá há 20 anos. A casa dela foi uma das selecionadas, para receber a ovitrampa. Lucilene reconhece a necessidade do serviço prestado pelos agentes.

“Sei que eles estão fazendo um trabalho importante para a população. Depois dessa pesquisa, eles vão verificar formas de acabar com o mosquito. Por isso, me sinto mais tranquila com a presença deles aqui.”

Belém
.

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

ÚLTIMAS EM BELÉM

MAIS LIDAS EM BELÉM