Veja quem são os futuros ministros do Governo; nomes foram anunciados por Lula nesta sexta

Foram confirmados os nomes de Fernando Haddad, Flávio Dino, Rui Costa, José Múcio e Mauro Vieira

O Liberal

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou, durante entrevista à repórteres na manhã desta sexta-feira (9), parte dos nomes que estarão à frente dos ministérios no próximo governo. Ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) foi confirmado para o Ministério da Fazenda, pasta que será criada a partir do desmembramento do atual Ministério da Economia – que dará origem ainda às pastas de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e de Planejamento, Orçamento e Gestão.

VEJA MAIS

image Itamaraty: Líderes da Alemanha, Espanha e outros países confirmam presença na posse de Lula
Também foi enviado convite ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden

image Cantora paraense se apresentará na posse de Lula; veja quem é
Confira quem são os primeiros artistas confirmados para o ‘Festival do Futuro’ na posse de Lula

image Saiba quando é a diplomação e posse de Lula, Helder, deputados e senadores eleitos
No caso do Pará, a cerimônia para entrega dos diplomas dos eleitos foi confirmada para o dia 21 de dezembro

Outros nomes confirmados foram os de Flávio Dino (Justiça e Segurança Pública), Rui Costa (Casa Civil) e José Múcio (Defesa).

O presidente eleito chegou a afirmar, anteriormente, que só iria anunciar os nomes a partir do dia 12 de dezembro, data da diplomação no Tribunal Superior Eleitoral. Porém, ele antecipou a divulgação. "Tomei a decisão porque preciso que algumas pessoas comecem a trabalhar para montar o governo". 

Quatro dos cinco futuros ministros anunciados estavam ao lado de Lula durante a coletiva. Apenas Mauro Vieira, que irá para o Ministério das Relações Exteriores, não participou do anúncio, porque está na Croácia, segundo o presidente eleito. Vieira é embaixador do Brasil naquele país. 

Antes de confirmar os nomes, o presidente eleito comentou sobre a falta de diversidade de gênero e racial na primeira leva de ministros anunciados, observando que novos anúncios serão feitos. "Vai chegar uma hora que vocês vão ver mais mulheres aqui que homens e vão ver a participação de muitos companheiros afrodescententes", declarou. Questionado por um jornalista sobre o assunto, Lula afirmou que tentará montar um governo que "seja a cara da sociedade brasileira na sua plenitude".

Transição

Durante a coletiva, o presidente e o vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin, falaram sobre o processo de transição. Coordenador da equipe de Lula, Alckmin afirmou que a equipe foi plural, com diversidade democrática e transparente. Segundo ele, foram 32 grupos técnicos, 940 participante voluntários.

O vice-presidente eleito informou ainda que, durante os trabalhadores, foram encaminhados 180 requerimentos de informações para o governo federal. "A menor execução orçamentária desde 2006. Foi a (equipe de transição) mais participativa e a mais econômica. De 50 cargos, apenas 22 foram nomeados".

Os trabalhos devem ser encerrados na próxima segunda-feira (12). O relatório final, ainda de acordo com Alckmin, terá um diagnósticos de cada área, deve ser divulgado na segunda-feira, com alerta para os primeiros meses, emergências orçamentárias, propostas de estrutura para cada área e ações prioritárias.

Lula afirmou que quando a transição terminar, sua equipe irá mostrar com clareza o que foi encontrado no atual governo. "Para que a sociedade saiba. Porque se não apresentarmos agora, seis meses depois estará nas nossas costas os desmandos feitos pelo atual governo. É um governo que não preparou a administração desse país. Preferiu falar, falar e falar e não conseguiu resolver os problemas que precisa resolver", declarou. 

Veja os nomes anunciados

  • Fernando Haddad - Ministério da Fazenda

Ex-ministro de Educação e ex-prefeito de São Paulo, é um dos nomes de confiança do presidente eleito. Disputou a Presidência da República em 2018, após Lula ser declarado impedido de concorrer, mas perdeu em as eleições no segundo turno, para Jair Bolsonaro. Nas eleições deste ano, disputou o segundo turno para o governo de São Paulo e saiu derrotado por Tarcísio de Freitas (Republicanos).

  • Rui Costa - Casa Civil

É governador da Bahia, bastante ligado ao senador Jaques Wagner (PT-BA), um dos principais aliados e articuladores do presidente eleito. Ele não disputou o governo estadual neste ano porque já está no segundo mandato. Rui abriu mão de concorrer a outro cargo público. 

  • José Múcio Monteiro - Ministério da Defesa

Ex-ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), ele foi ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, no segundo mandato de Lula, e tem bom trânsito entre militares.

  • Flávio Dino (PSB) - Ministério da Justiça e Segurança Pública

Ex-governador do Maranhão, Flávio Dino foi eleito senador pelo mesmo estado, em outubro deste ano. Ele também já juiz federal, deputado federal e presidente da Embratur. É irmão do subprocurador-geral da República Nicolao Dino.

  • Mauro Vieira - Ministério das Relações Exteriores

Mauro Vieira é embaixador do Brasil na Croácia e já comandou o Itamaraty no governo Dilma Rousseff. Foi representante permanente do Brasil na Organização das Nações Unidas (ONU) e já comandou também as embaixadas na Argentina e nos Estados Unidos.

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA