Moraes acolhe pedido da PGR e inclui Bolsonaro na investigação de atos em Brasília

Pedido foi encaminhado à Corte Suprema pela Procuradoria-Geral da República

O Liberal
fonte

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), acatou o pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) de incluir o ex-presidente Jair Bolsonaro no inquérito que investiga os responsáveis, por instigação e autoria intelectual, pelas manifestações ocorridas em Brasília no último domingo (8) e que culminaram com as invasões às sedes dos Três Poderes. As informações são do portal UOL.

VEJA MAIS

image Ministro da Justiça diz que vai pedir extradição de Anderson Torres se ele não voltar ao Brasil
Com prisão decretada, ex-secretário de Segurança Pública do DF disse que retornaria ao país, mas ainda não retornou

image Moraes manda abrir investigação sobre Ibaneis e Anderson Torres
A decisão atende a um pedido da própria Procuradoria-Geral da República (PGR), a quem caberão as investigações

image 'Pelo amor de Deus, acabou a eleição de 2022', dispara Dino sobre atos radicais
O ministro ainda disse que existe um "senso de união patriótica" no Brasil, apesar dos últimos acontecimentos

O inquérito cita que Bolsonaro teria feito incitação pública à prática de crime (Art.286 do Código Penal) e poderia inspirar novos ataques, já que no último dia 10 ele voltou a se manifestar, em vídeo publicado nas redes sociais, questionando a regularidade das eleições presidenciais de 2022. A publicação foi apagada no dia seguinte.

Para o subprocurador-geral da República, Carlos Frederico Santos, mesmo que a publicação tenha sido feita após os episódios de 8 de janeiro, as condutas apontadas devem ser investigadas. "Não se nega a existência de conexão probatória entre os fatos contidos na representação e o objeto deste inquérito, mais amplo em extensão. Por tal motivo, justifica-se a apuração global dos atos praticados antes e depois de 8 de janeiro de 2023 pelo representado”, afirma.

Carlos Frederico também solicita que seja expedida ordem imediata ao provedor de aplicação Meta, para preservar o vídeo publicado no perfil do ex-presidente na rede social Facebook.

Na justificativa da decisão, o ministro Alexandre de Moraes destacou ter sido observado, "como consequência das condutas do ex-Presidente da República, o mesmo modus operandi de divulgação utilizado pela organização criminosa investigada em ambos os inquéritos anteriormente mencionadas, com intensas reações por meio das redes virtuais, pregando discursos de ódio e contrários às Instituições, ao Estado de Direito e à Democracia", que, em tese, podem ter contribuído, para o episódio de invasões a depredações dos prédios do Congresso Nacional, do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Palácio do Planalto.

Política
.
Ícone cancelar

Desculpe pela interrupção. Detectamos que você possui um bloqueador de anúncios ativo!

Oferecemos notícia e informação de graça, mas produzir conteúdo de qualidade não é.

Os anúncios são uma forma de garantir a receita do portal e o pagamento dos profissionais envolvidos.

Por favor, desative ou remova o bloqueador de anúncios do seu navegador para continuar sua navegação sem interrupções. Obrigado!

RELACIONADAS EM POLÍTICA

MAIS LIDAS EM POLÍTICA